Páginas

20 de abril de 2013

25 de abril de 1974 - Revisitar para Lembrar

"Quem, vindo de outras terras, chegava ao País das Pessoas Tristes, não compreendia.(...) Contavam-lhes que o povo daquele país tivera um dia um imenso e belo tesouro e que alguém lho roubara (...) um tesouro tão grande e tão valioso que, sem ele, não podiam ser felizes. 
- Um tesouro?, perguntavam os visitantes muito surpreendidos. 
- Sim, um tesouro... A liberdade. 
- A liberdade? Um tesouro? (...) 
- Sim, a liberdade é como o ar que respiramos, diziam-lhes os seus novos amigos tristemente. Só quando nos falta, e sufocamos cheios de aflição, é que descobrimos que, sem ele, não podemos viver..." 
Até que um dia chegou em que, no País das Pessoas Tristes, as pessoas decidiram reconquistar o seu tesouro.
  [cartaz da autoria de David Figueiredo, prof. de Artes]
Revisitar este marco da nossa história recente, um acontecimento que data de há 39 anos,    e com ele lembrar o valor inalienável da liberdade como o pressuposto de uma cidadania democrática, participativa e solidária, é também literacia. E as bibliotecas são por excelência espaços onde germina a literacia, espaços de liberdade, portas abertas no tempo (como dizia Jorge Luís Borges).
É assim que, desde há alguns anos, a biblioteca da ESAF revisita e evoca:
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo.
                                                                                                                         [Sophia de Mello Breyner Andresen]

25 de abril é já na próxima semana. Vamos lembrá-lo.

[nota de final de página: neste post recorremos às palavras do grande e sempre lembrado Manuel António Pina (que certo, alegre e luminoso dia conversou com alunos nesta biblioteca), às palavras d`O Tesouro;  às inteiras e limpas palavras de Sophia, também; e às de Borges, que associava as bibliotecas ao paraíso]

Sem comentários: