Páginas

5 de dezembro de 2019

Li, gostei e recomendo... a palavra aos leitores (um outro olhar sobre os livros)

Por estes dias, na sala de leitura da biblioteca, na face de algumas estantes, propostas gráficas alusivas a títulos do nosso acervo. Uma outra via de difundir e recomendar, aos utilizadores deste espaço, livros lidos e apreciados. 
Alunos do 7.º ano, sob orientação da professora de Português, Cristina Gomes, em colaboração com a biblioteca, evidenciam o afã de fazer chegar aos outros, por via de propostas engenhosamente gráficas, o prazer da leitura. 
"Cão como nós" de Manuel Alegre; "Mar me quer", de Mia Couto; e "O manuscrito da grade de ouro", de Anabela Mimoso em coautoria com José Vaz, são obras a descobrir, ora pela graciosidade de uma aguarela, ora pela prazerosa tridimensionalidade de um livro, ora pelos artifícios de um adereço, o pormenor de uma janela que se abre, a cortina que esconde um agradável segredo, ou ainda aquele código digital QR que interpela o teu telemóvel na expetativa de que o leias.

27 de novembro de 2019

Li, gostei e recomendo... a palavra aos leitores

O que nos diz Joana Miranda, aluna do 8.ºD da ESAF, sobre este livro que leu, gostou e recomenda:

Peter Pan

Autor:                    J. M. Barrie
Anotações:            Rita Redshoes
Ilustrações:           Cláudia Guerreiro
Editor:                   Expresso (Relógio D`Água)
Ano de edição:     2017
N.º de Págs.:        247
Categoria:             Narrativa

"Quando se fala em leitura, confesso que sou um pouco exigente, mas posso garantir que não fiquei dececionada com a obra “Peter Pan”, de J. N. Barrie.
O primeiro ponto que vou levantar vai ser a abordagem da história contada, que apesar de já conhecida, me garantiu um novo ponto de vista. Percebi também um aspeto que me cativou ainda mais, que foi a parte da censura não se aplicar a este livro. Em pequenos, com certeza, pelo menos nesta geração, nos lembramos de ver o “Peter Pan e a Terra do Nunca” no Disney Channel, cheio de cores e vida, mas não é disso que este livro fala, pois existe muito menos censura na obra, o que nos faz claramente mudar um pouco a nossa visão a respeito da personagem principal, Peter Pan. 
Suponho que vemos esta personagem como alguém corajoso, divertido e aventureiro, mas depois de ler este livro, descobri um lado mais sombrio de Peter, um lado mais egoísta, frio e diria até impiedoso. Mesmo pensando nesse facto, e isto é um pouco contraditório, a minha passagem favorita não deixa de ser uma revelada por Peter a Wendy:
“-Pan, quem és tu afinal? — gritou com voz rouca.
-Sou a juventude e a alegria — respondeu Peter à toa —, sou um passarinho acabado de sair do ovo.” – (p.206).
O segundo ponto a levantar é a reflexão sobre este tema. A lição que tirei desta obra foi que, mesmo que queiramos, não podemos ser crianças eternamente e que devemos assumir a responsabilidade dos nossos atos e aceitar as suas consequências, já que mais cedo ou mais tarde teremos de lidar com eles."
[Obs: este é um título que consta no fundo documental da BESAF e pode ser requisitado pelos nossos leitores]


20 de novembro de 2019

Investigadores voltam à escola (Semana da Ciência e da Tecnologia)

Desde há mais de uma década que celebramos a Semana da Ciência e Tecnologia na Biblioteca da ESAF, sempre contando com a colaboração de áreas disciplinares ligadas à ciência, com o envolvimento de alunos e, sempre que possível, com a parceria de instituições exteriores à escola, nomeadamente do Ensino Superior. Assim aconteceu hoje numa sessão de sensibilização às práticas e à investigação científica de topo; tendo sido para nós, comunidade escolar e educativa, intelectual e pedagogicamente gratificante poder seguir as intervenções de dois investigadores oriundos da Escola de Ciências da Universidade do Minho: Sofia Alexandra F. Duarte (Investigadora de Pós Doutoramento, do Centro de Biologia Molecular e Ambiental daquela universidade) e Tiago Dias do Vale (Aluno de Doutoramento em Física, do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas, da mesma instituição). Na sessão, que teve como público-alvo alunos dos cursos de Ciências e Tecnologias, mas que também contou com a presença de outros alunos de cursos diferentes, tivemos a oportunidade de não apenas conhecer o dia a dia dos investigadores, o seu labor em prol da descoberta e da expansão do conhecimento, os seus percursos e a sua formação, mas também, e de forma didáctico-pedagogicamente frutífera, saber algo mais sobre o que se faz no domínio da Biologia (no caso: identificação de espécies num quadro de biodiversidade com recurso a técnicas inovadoras como o código de barras genético), ou do que se faz no domínio da Física, como a incursão no campo das partículas mais ínfimas, afinal daquilo que nos constitui e de que se compõe a matéria, o universo.
Foi deveras uma sessão que fez jus ao espírito da cientificidade e da tecnologia, uma excelente forma de evocar a semana da cultura científica que, por cá, ora decorre.
Mas não terminámos a manhã sem mais uma intervenção de valia, como aquela que o professor David Ferreira (professor de Física e Química) proporcionou a alunos de várias turmas do 3.º Ciclo, desta feita, viajando aos primórdios da Ciência Moderna, abordando os seus marcos e a grandeza de figuras (gigantes) como Galileu ou Newton, entre outros.
Magníficas intervenções, grandes momentos de literacia científica, aqui, no espaço da biblioteca.
Obrigado a todos.


18 de novembro de 2019

"Sapere Aude" - Dia Mundial da Filosofia

Instituído pela UNESCO, em 2005, o Dia Mundial da Filosofia celebra-se na terceira quinta-feira do mês de novembro, que, este ano, ocorre a 21, já na próxima quinta-feira. Com ele convoca-se a importância e a necessidade da reflexão filosófica, que deve estar na ordem do dia, de todos e de cada um de nós. Quem recusa o questionamento, desacredita o espanto e a vontade de perspetivar o mundo segundo diferentes prismas, engana-se ou, pior, pretende enganar o semelhante fazendo crer que a filosofia se perde em abstrações desligadas do real e em elocubrações vãs. Em contraposição, importa, isso sim, convocar o pensamento, ousar pensar, compreender, questionar verdades feitas, caindo na conta de que, a bem ver, pensar e discernir com razão, argumentar e contra-argumentar, torna mais rica a nossa convivência social, rompe com o pensamento único... porque a filosofia é plural e, como já o dissemos aqui, a propósito de uma outra jornada da Filosofia, jamais se arroga em "detentora da verdade", não deixando esta de ser um dos seus horizontes. 
Assim, na próxima quinta-feira não deixaremos de lembrar, por cá, na biblioteca da ESAF, o papel da Filosofia e a importância da razão, que não meramente lógica mas imbricada na vida.
Por agora, o nosso cartaz do Dia Mundial da Filosofia, simples mas incisivo, obra da nossa colaboradora Maria José Oliveira que tão bem soube captar graficamente aquilo que a filosofia convoca: SAPERE AUDE (atreve-te a saber, ousa pensar por ti mesmo, faz uso da tua Razão)

17 de novembro de 2019

Cultura científica e tecnológica - a partir de amanhã na BESAF

A partir de amanhã evocaremos, com uma série de atividades (na biblioteca da ESAF), a Semana da Ciência e da Tecnologia 2019. Tomando como referência o dia 24 de novembro, Dia Nacional da Cultura Científica, mas também dia de aniversário desse especial homem de ciência e literatura que foi Rómulo de Carvalho (24/11/1906 – 29/02/1997), reconhecido professor (de física e química) e pedagogo, notável divulgador de ciência (com extensa obra científica) e excecional poeta (sob o pseudónimo de António Gedeão), que ombreia com os grandes autores da literatura portuguesa; tomando como referência aquele dia, dizíamos, aproveitamos para convocar, com maior acuidade, a cultura científica e tecnológica na semana que ora se inicia. 
Teremos exposição laboratorial e de trabalhos de alunos, exposição de robótica, palestras em torno da investigação científica (com visita de investigadores da Escola de Ciências da Universidade do Minho), mini-sessões sobre ciência, poesia e uma ação criativa de alunos em torno do génio de Leonardo Da Vinci.
Aqui fica o nosso cartaz alusivo a esta semana da cultura científica e tecnológica.

6 de novembro de 2019

Sophia - em dia de centenário

A 6 de novembro de 1919 nascia Sophia de Mello Breyner Andresen, figura incontornável da literatura portuguesa contemporânea. A riqueza intemporal da sua criação literária, que perdura e dignifica a cultura portuguesa, a cristalina medida justa da sua poesia, o puro envolvimento da sua prosa poética e a arcádica tessitura dos seus contos, que continuam a fascinar gerações, mobilizam a evocação de uma mulher que, para além das letras, também foi de causas.
Assim, em jeito de homenagem e tributo, voltamos a convocar hoje, na sala de leitura da biblioteca, uma exposição de painéis, intitulada - Sophia: ensaio gráfico - (trabalho criativo realizado, há alguns anos, por uma turma do curso profissional de técnico de multimédia, sob a orientação do prof. David Figueiredo). Em paralelo, logo à entrada da biblioteca, expusemos também vários livros de Sophia em mostra bibliográfica, sem esquecer uma breve resenha com dados sobre a vida e obra desta grande senhora da literatura portuguesa do século 20.

1 de novembro de 2019

Halloween na biblioteca

O Halloween pela via da literatura, do teatro, da música e da dança, a esconjurar medos, lembrando que às longas noites de inverno se sucederão os dias luminosos. Mas, por ora, é de histórias assombradas, de poemas e poetas alucinados, de palavras, sons e visões que amedrontam, que se trata, mesmo sabendo que importa suspender a crença e assumir que fantasmagóricos seres, noctívagas aves, sons de portas que rangem, até gritos pelos corredores dos castelos e palácios, presságios e outras assombrações, tomam a nossa imaginação e a fazem galopar.
E assim se evocou o Halloween na biblioteca da ESAF, convocando Edgar A. Poe (The masque of the red death), José Régio (O poeta doido, o vitral e a santa morta), mas também os poetas Francisco de Quevedo e António Machado e ainda as palavras de um aluno (Bruno Pinho) com um poema alusivo ao espírito do dia. O espaço da biblioteca transmutou-se com adereços a preceito e toda uma mise-en-scène adequada à encenação dramática das palavras e dos gestos, da música e da ambiência que, por momentos, nos transportou ao tempo das histórias que assustam e até povoam os nossos sonhos ou pesadelos.
[Gratos aos alunos/as, ao prof. Rui Campos, Marieta Barbosa, Maria José Oliveira e à equipa da biblioteca escolar, pelos momentos proporcionados, a recordar que as bibliotecas são também casas de histórias, histórias que enformam os livros, tantas delas de assombração e temor, prazenteiramente fantásticas.]

Leituras para a fase interna do Concurso Nacional de Leitura 2019/20

Já decorre a 1.ª fase (a nível de escola) do Concurso Nacional de Leitura (que este ano cumpre a sua 14.ª edição) e mais uma vez contamos com a tua participação (se és alunos da ESAF) nesta importante e reconhecida iniciativa de leitura para crianças e jovens. 
As obras selecionadas para leitura, aqui no nosso Agrupamento e no que toca aos escalões de 3.º Ciclo e Ensino Secundário (regular e profissional), são as que se indicam a seguir:
Títulos requisitáveis na biblioteca da escola, embora sujeitos à disponibilidade de exemplares existentes. 

Ensino Básico (3º Ciclo) 
Não te afastes , de David Machado, Editorial Caminho, 2018
Quando Hitler roubou o coelho cor-de-rosa, de Judith Kerr, Ed. Booksmile, 2018

Ensino Secundário 
O Estrangeiro, de Albert Camus, Ed. Livros do Brasil                 
A viagem do elefante, de José Saramago, Porto Editora

Não deixes de te inscrever junto do teu professor de Português ou nos serviços da biblioteca escolar da ESAF. 
Lê, desfruta das histórias e participa!

31 de outubro de 2019

Vamos imaginar! Dia das Bibliotecas Escolares

Ecos de um dia especial. 
Ecos do dia evocativo das biblioteca escolares, celebrado na biblioteca da ES Alcaides de Faria, na passada segunda-feira, 28/10, com leituras encenadas, poesia e prosa, música e dança, e o prazer de podermos desfrutar de um espaço que para além de promotor de literacias, de apoio ao currículo e de fomento da leitura, é também um local de convivialidade e alegria.
Mas o cunho especial deste mesmo dia em que se lembrou a importância das bibliotecas, também fica associado ao facto de, pela primeira vez neste espaço e em apresentação à comunidade, termos ouvido o hino das bibliotecas do Agrupamento. Música original, letra original, a condizer com o valor e importância que estas estruturas assumem no seio da comunidade educativa. 
E depois do hino inédito e tão especial para nós; foi altura de dar voz às palavras e à literatura com leitura encenada de excertos, música e dança, num momento de esfuziante alegria.
Gratos aos professores e alunos envolvidos, gratos ainda ao Clube de Música e aos compositores do hino das bibliotecas do Agrupamento Alcaides de Faria.

29 de outubro de 2019

Halloween com literatura

Aproveitando o ensejo de, por estes dias, nomeadamente a 31 de outubro, se convocar tradições ligadas ao Halloween (tão presente no mundo anglo-saxónico e um pouco por todo o mundo), ao “Dia das Bruxas” e mesmo ao “Día de los Muertos” (tão típico do México e outros países latino-americanos), tradições essas associadas a rituais celebrativos de diferentes povos e culturas; também nós por cá, como tem sido hábito, nos preparamos para uma aproximação literária, gráfica e lúdica, ao espírito de um tempo que convoca, afinal, a vida e esconjura os medos. 
Não, não se trata apenas de evocar por evocar o Halloween, pelo cariz lúdico da festa, mas sobretudo convocar o espírito do tempo para, em sintonia, dar a conhecer o fulgor de uma certa poesia impressiva ou o poder encantatório, quanto fascinantemente temível, das narrativas góticas de séculos passados. E é assim que também por esta via chegamos aos livros, às leituras e aos autores, sejam eles José Régio, Edgar A. Poe, António Machado ou Quevedo. 
A conferir já na próxima 5.ª feira, na sala de leitura da biblioteca da ESAF, numa proposta diferente para quem quer enfrentar o medo e se julga pouco sugestionável. Aceitas o desafio?

23 de outubro de 2019

À conversa com David Machado - sobre livros, leitura e escrita

É sempre motivo de imensa satisfação quando uma biblioteca recebe um escritor e, nesse contexto, face a face, podem os leitores ouvi-lo e interpelá-lo. Motivo de satisfação acrescida quando o autor se chama David Machado, reconhecido no panorama literário contemporâneo e que faz parte de uma geração de novos autores da nossa língua que têm conquistado, da parte do público leitor (dos miúdos aos graúdos), entusiástica receção. A sua obra faz jus a esse reconhecimento. Motivo acrescido ainda quando se olha e vê uma biblioteca apinhada de alunos e professores, leitores de diferentes idades, num espaço como este onde a leitura, os livros e as histórias são sempre tão especiais. 
Assim aconteceu esta manhã, pelas 10h, num momento de partilha e de leituras! David Machado, com obra feita nos domínios da ficção literária, do romance e do conto às narrativas de cariz infanto-juvenil, com títulos premiados em diversos contextos: Prémio Branquinho da Fonseca, da Fundação Calouste Gulbenkian e do jornal Expresso (2005); Prémio Autor SPA/RTP 2010 (melhor livro juvenil); Prémio da União Europeia para a Literatura - 2015 (com o livro Índice Médio de Felicidade, que em 2017 foi transposto para o grande ecrã pelo realizador Joaquim Leitão); esteve connosco e falou-nos do seu ofício de escritor, do seu universo ficcional, das suas obras e das temáticas que as atravessam. Na sua pessoalíssima alforge de escritor já lá constam livros (da sua lavra), tais como: Histórias Possíveis (2008); A Noite dos Animais Inventados (2006); O Fabuloso Teatro do Gigante (2008); Acho que posso ajudar (2014);  Deixem Falar as Pedras (2011); Índice Médio de Felicidade (2013); Debaixo da Pele (2017); Não te afastes (2018), entre outros títulos. 
Hoje tivemos o gosto de ouvir belas passagens, lidas pelo autor, de um título seu mais recente, o livro Não te afastes, aventurosa incursão do jovem Tomás pelos meandros da grande cidade (mas sob os efeitos devastadores de um furacão - qual dilúvio de proporções inauditas) em fuga e, paradoxalmente, em busca de si próprio, confrontando os seus medos, mas também e de forma inusitada pondo à prova a resistência da sua coragem. Sem levantar demasiado o véu sobre a trama deste último romance para todas as idades, aludiu ainda a uma amizade improvável e só concebível em momentos extraordinários, como os vividos pela personagem Tomás.
Sim, o Índice Médio de Felicidade (no nosso entender, uma elegia à esperança quando confrontados com a queda, a crise e o caos vivencial) marcou também presença na conversa desta manhã, desde logo com a leitura, pela prof.ª Marieta, de um trecho emblemático daquele livro e com a chamada à colação de uma temática também ela perceptível no contexto experiencial de várias das suas obras: o medo, a coragem, a esperançosa busca da felicidade, sem que dela se faça um totem nem tão pouco um obsessivo "Eldorado". 
E assim foi, hoje, à conversa com David Machado, cientes de que com encontros assim chegamos um pouco mais aos leitores, em prol de mais e melhor leitura, mas também de conhecimento do que se faz na literatura portuguesa contemporânea.
[Gratos ao escritor, ao Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares de Barcelos, à Biblioteca Municipal de Barcelos]


21 de outubro de 2019

À conversa com o escritor David Machado | 4.ª feira (23/10) > 10h05 > na biblioteca da ESAF

É já na próxima 4.ª feira, 23/10, pelas 10H05, que contaremos com a presença deste escritor aqui, no local habitual de leitores, leituras e livros.
David Machado nasceu em Lisboa em 1978. Autor com obra feita nos domínios da ficção literária, do romance e do conto às narrativas de cariz infanto-juvenil, com títulos premiados em diversos contextos: Prémio Branquinho da Fonseca, da Fundação Calouste Gulbenkian e do jornal Expresso (2005); Prémio Autor SPA/RTP 2010 (melhor livro juvenil); Prémio da União Europeia para a Literatura - 2015 (com o livro Índice Médio de Felicidade, que em 2017 foi transposto para o grande ecrã pelo realizador Joaquim Leitão). 
David Machado é um escritor com mérito reconhecido no panorama literário contemporâneo, faz parte de uma geração de novos autores e tem merecido da parte do público leitor, dos mais novos aos adultos, receção entusiástica. O autor tem vários romances e contos traduzidos e publicados em diferentes países. Da sua lavra contam-se obras como: Histórias Possíveis (2008); A Noite dos Animais Inventados (2006); O Fabuloso Teatro do Gigante (2008); Acho que posso ajudar (2014);  Deixem Falar as Pedras (2011); Índice Médio de Felicidade (2013); Debaixo da Pele (2017); Não te afastes (2018), entre outros títulos.  
Venha conhecer um pouco mais este autor e aproveite a oportunidade de com ele conversar sobre os seus livros, a escrita, a leitura, o poder das histórias.
[A vinda do escritor à nossa biblioteca escolar resulta da parceria entre a RBEB - Rede de Bibliotecas de Barcelos / SABE Bcl]

30 de setembro de 2019

Mês das Bibliotecas Escolares... a chegar

Outubro está a chegar e com ele a evocação das bibliotecas escolares como estruturas de literacia e apoio ao currículo, de suporte à leitura e à aprendizagem; espaços hoje imprescindíveis no seio da comunidade educativa. 
O tema deste ano do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, em consonância com o que foi internacionalmente proposto, é: "VAMOS IMAGINAR" ("Let`s Imagine"), que dá lastro à imaginação e abre a porta às possibilidades que as bibliotecas possuem na concretização do seu labor em prol de mais e melhor leitura, mais e melhor acesso ao conhecimento e ao seu leque de possibilidades outras, quantas vezes inimagináveis.
E por falarmos em imaginação, também ela importante na configuração daquilo que somos, disse esse grande cientista do século XX, Einstein, que a imaginação é mais importante do que o conhecimento, porque o conhecimento leva-nos de A para B, ao passo que a imaginação leva-nos para todo o lado, e já Feynman, outro grande cientista, nos falava dos prodígios da imaginação, da imaginação no contexto da produção de conhecimentos. 
Na esteira das possibilidades que a imaginação nos abre e quanto ela pode valer para a construção do conhecimento, para a configuração da literatura, das artes e das ciências, aqui partilhamos o nosso cartaz deste ano, alusivo à celebração das bibliotecas, que, nas palavras da sua autora, Maria José Oliveira, transporta-nos "ao mundo fantástico e harmonioso da leitura, onde folhas geométricas circulares representam "janelas" para o conhecimento, sendo que no centro da imagem e em fundo, a figura da criança representará o imaginário dos livros, das leituras repletas de formas, cores, aromas", assim como vias abertas para o conhecimento.

29 de setembro de 2019

Em cada viagem, uma aprendizagem

Os Caminhos de Eva, tertúlia em tom de relato pessoal e caloroso, estão de volta à sala de leitura da Biblioteca da ES Alcaides de Faria, a 8 de outubro, pelas 15h00.
Sob o mote: "Em cada viagem, uma aprendizagem", Eva Martins, depois de há dois anos ter fascinado a atenção daqueles que à biblioteca da ESAF se deslocaram para seguirem os meandros das muitas viagens pelo mundo que a professora e viajante já realizou, estará novamente connosco em tertúlia para, desta feita, nos falar da fascinante viagem de bicicleta por um país de fogo e gelo, de paisagens lunares tão inóspitas quanto belas, de vulcões, geisers, neves eternas, montanhas e lagos, mas também, acrescente-se, de gentes que prezam a poesia e as sagas intemporais, terra de figuras como Halddór Laxness ou da incontornável voz de Björk...
A não perder, na sala de leitura da tua biblioteca escolar, espaço de partilha e literacias, de leitura e aprendizagens, onde as viagens também marcam presença.
Eva Martins, professora de Educação Física na Escola Sec. Alcaides de Faria, não esconde o seu espírito de aventura, de abertura à viagem, à descoberta, à imersão em experiências que formam e nos tornam mais ricos física e espiritualmente. Nas suas andanças já trilhou caminhos em diferentes continentes e diferentes países: Índia, África do Sul, Namíbia, Botswana, América do Norte, Perú, Chile...
Será um gosto voltar a ouvi-la e a vê-la partilhar as suas experiências inspiradoras!

23 de setembro de 2019

Boas Leituras. Bons Estudos. Bom Ano Letivo.

Desde 12 de setembro (com receção a novos alunos na escola e respetivos encarregados de educação) que a biblioteca escolar está de portas abertas, após uma pausa desde meados de agosto. 
Voltou a azáfama do quotidiano, o ritmo dos dias harmoniza-se gradualmente, novos e já conhecidos alunos - leitores deambulam entre estantes e computadores, conhecem cantos e recantos, inteiram-se sobre o que podem esperar da sua biblioteca escolar.
As palavras são de boas-vindas e com elas uma magnífica peça de pasta de papel, simbolicamente alusiva ao ato de ler, recebe-te a ti aluno/leitor para mais um ano de boas leituras, boas pesquisas, bom estudo, sucesso e sobretudo alegria em convivermos juntos na aventura do conhecimento.
Por isso, o nosso voto de boas-vindas e os desejos de que este seja um ano excelente!