Páginas

13 de fevereiro de 2020

O que pode o amor?

Amanhã é dia de celebrar o Amor e nós, por cá, já temos o cartaz evocativo. De grafismo simples quanto belo, nele se convocam as múltiplas expressões do sentimento amoroso. Nesta sexta-feira, 14 de fevereiro, será dia para uma iniciativa em torno do amor, com música, canções, poesia e um momento de expressão dramática.
[Uma nota, que não de rodapé, como menção à autora do cartaz que, com este, como com outros tão expressivos,tem colaborado com esta biblioteca escolar. Gratos à M.ª José Oliveira, professora de Artes e colaboradora indefectível.]

Exposição Probótica na sala de leitura da BESAF

É certo que, por estes dias, o tema da Segurança na Internet e o Dia da Internet Segura, foram motivo de acuidade acrescida entre os alunos e utilizadores do espaço da biblioteca. Mas também não lhes passou despercebida a exposição de pequenos robôs, de placas de programação e de outros artefactos eletrónicos tecnicamente configurados por linguagens lógicas que tantos jovens atraem. 
Falamos da 3.ª edição da Exposição Probótica ESAF que o Clube de Programação e Robótica, empenhada e proficientemente orientado pelo Professor Rui Figueiredo, trouxe mais uma vez ao espaço dos livros e das leituras, confirmando a ideia de que a tecnologia, a lógica algoritmica e as linguagens de programação, a par do engenho dos jovens programadores, não estão de costas viradas para o mundo da cultura, porque por direito também elas partícipes neste vasto mundo de conceitos, ideias, objetos e constructos, o da cultura que nos enforma e nos configura como seres curiosos que somos. 




Ecos da Semana da Internet Segura

Foi de cibercrime e de recomendações importantes para, na nossa vida online, evitarmos os perigos que a Internet esconde, não obstante o potencial comunicativo que a mesma proporciona, que se falou, ontem 12/02, na sala de leitura da biblioteca da ESAF. A sessão de sensibilização esteve, desta vez, a cargo de um inspetor da Polícia Judiciária de Braga, Departamento de Investigação Criminal, que connosco veio partilhar ideias e recomendações de utilidade incontornável para as nossas interações no mundo digital. Não nos é desconhecido que pela Internet também se cometem crimes e que até os mais incautos, quantas vezes por ingenuidade ou desconhecimento das consequências, incorrem em ilícitos. Foi um pouco nessa linha, numa perspetiva de pedagógica sensibilização, que o inspetor da PJ abordou algumas das perigosidades da Net mas também as vias de comportamentos e cautelas a seguir; salientando o facto de que mais do que a ferramenta em si - a Net - importa, isso sim, o modo como a usamos e de como dela podemos tirar partido cívica e responsavelmente. 
A sessão foi dirigida a um auditório de jovens do Ensino Secundário.

Ecos da Semana da Internet Segura - exposição de trabalhos

Apelar à mudança de atitudes e comportamentos online por via de imagens, slogans, palavras de ordem, dicas e outras mensagens graficamente suportadas, eis o objetivo da exposição de cartazes que ao longo da semana tem chamado a atenção dos nossos alunos/utilizadores para a afirmação de uma Internet Melhor. 
Os trabalhos expostos são o resultado do labor de pesquisa e recolha de informação por alunos do 3.º Ciclo, sob supervisão de alguns professores de TIC que com a biblioteca colaboraram nesta ação de sensibilização.

Ecos da Semana da Internet Segura na BESAF

Sensibilizar para uma Internet mais segura e responsável.
Decorre a Semana da Internet Segura, iniciativa a que aderimos todos os anos, com vista à sensibilização de crianças e jovens para um uso responsável e com conhecimento da Internet. A literacia informática e digital importa cada vez mais e só tem a ganhar se, a par dos conhecimentos técnicos, assumirmos também atitudes cívicas. Por aqui passa a mensagem de que, não apenas nesta semana de eventos mais dirigidos, mas ao longo de todos os dia do ano, é tempo para estarmos atentos às virtualidades que a Internet aporta e, no mesmo passo, aos perigos que ela encerra. Por isso, no quadro das nossas ações para a Semana da Internet Segura 2020, contámos, logo na 2.ª feira, com a colaboração da equipa Escola Segura (PSP de Barcelos), que veio à biblioteca proporcionar a alunos do 3.º ciclo (várias turmas) momentos de sensibilização e reflexão em torno de assuntos deveras pertinentes para quem acede via telemóvel ou outros dispositivos à rede Internet. Da importância de passwords seguras à divulgação de fotografias, passando pelas mensagens online e o perigo de encontros marcados na web com gente desconhecida, entre outros tópicos fundamentais como os do cyberbullying ou do discurso de ódio, cada vez mais nefasto no trato entre pessoas. 

29 de janeiro de 2020

Cartaz da Semana da Internet Segura 2020 na BESAF

Aproxima-se a Semana da Internet Segura que decorrerá, na BESAF, entre 10 e 14 de fevereiro, sendo que o Dia da Internet Segura evoca-se, este ano, no dia 11 de fevereiro, quer na Europa quer num alargado conjunto de países a nível mundial. Subordinada ao tema "Juntos por uma Internet Melhor", a iniciativa visa consciencializar, sobretudo crianças e jovens, para uma utilização cauta da Web, espaço onde se tecem incomensuráveis interações, do lazer à educação, da vida particular à pública e, por conseguinte, onde se mesclam virtualidades mas também perigos. Neste encalço, disponibilizaremos (em parceria com instituições públicas) ações de sensibilização para a comunidade escolar, mas também outras iniciativas em torno da tecnologia.
Tal como vimos fazendo ao longo dos anos, mais uma vez disponibilizamos um cartaz original alusivo a esta temática (da autoria da prof.ª Maria José, de Artes, da equipa da biblioteca escolar da ESAF).
Desde já o nosso convite a alunos e professores da nossa comunidade para marcarem presença nas ações de sensibilização, que ocorrerão nos dias 10 e 12 de fevereiro.

Guia Básico da Biblioteca Escolar da ESAF

Agora online o guia prático do utilizador da biblioteca escolar da ES Alcaides de Faria. Se és membro da nossa comunidade escolar, sabe que também o podes solicitar, em versão papel, nos serviços da biblioteca da ESAF. O guia está repleto de indicações que te podem ser muito úteis na tua utilização e usufruto de recursos documentais e outros aqui disponíveis.

Hino das bibliotecas escolares do Agrupamento Alcaides de Faria (AEAF)

Hino das bibliotecas escolares do Agrupamento Alcaides de Faria (AEAF) interpretado por alunos do ensino básico (5.ºA; 5.ºB; e 8.ºB), com criação e supervisão do Clube de Música/prof. Paulo Teixeira, que com as bibliotecas escolares do agrupamento colabora e articula. Com a voz de jovens alunos se faz eco de um tema musical (com letra e música original) evocativo do papel e importância das bibliotecas escolares, espaços de literacia, formação e cidadania, no seio do Agrupamento Alcaides de Faria. O hino foi apresentado pela primeira vez no passado mês de outubro, aquando da celebração do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares. Entretanto, procedeu-se à realização de um videoclip que, a partir deste janeiro de 2020, pode ser visualizado no canal Youtube e outras redes sociais das bibliotecas escolares do Agrup. Alcaides de Faria. 

7 de janeiro de 2020

Fase escolar do CNL 2019/20 - alunos selecionados para a fase concelhia

Torna-se pública a lista dos vencedores da 1.ª fase do Concurso Nacional de Leitura 2019/20 (fase escolar – ES Alcaides de Faria), em resultado da realização das provas no dia 12 de dezembro. Foram selecionados 3 alunos  (um no escalão Ensino Básico e dois no escalão Ens. Secundário).
Os três alunos vencedores recebem como prémio um livro e serão os representantes da ESAF na fase municipal do Concurso Nacional de Leitura, com data marcada para 7 de fevereiro de 2020, na Biblioteca Municipal de Barcelos
Parabéns aos vencedores e um agradecimento especial aos alunos que participaram no concurso. 
Um bem-haja a todos!

14 de dezembro de 2019

Direitos - "o reverso da medalha"

Encerramos a semana de evocação dos 71 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos com a transcrição de um texto de Marisa Viana (aluna do 12.ºC da ESAF), lido pela própria no final da sessão que celebrou, a 10 de dezembro, tão importante efeméride, não de forma acrítica ou passiva, mas sob o signo do discernimento e da clarividência que tão incontornável problemática suscita, hoje como em todos os dias, na escola como na rua, no trabalho como nas demais ocupações do ser humano.
Aqui partilhamos o texto, dele ressaltando a nota de que a par de um direito lá está um dever, porque importa salientar que existem deveres e obrigações de todos e de cada um para com a Humanidade.
...
Um direito: “o reverso da medalha”

Todos falamos de direitos e mais direitos: “Eu tenho direitos”, “Ele tem direitos” … e apenas nos preocupamos em salvaguardar os nossos direitos, sem nos apercebermos que para cada cara de uma moeda existe uma coroa. Porque não dizer “Eu tenho deveres”, “Ele tem deveres” e “Para que eu tenha direitos tenho de ter deveres”? 
Aí está já um dever: ter consciência de que sem deveres não há direitos. Porque na sombra de um direito esconde-se um dever.
Se nos consideramos seres racionais e “superiores”, então temos o dever de usar a nossa consciência nas nossas atitudes e de nos comportarmos como uma criatura digna. Porque na sombra de um direito esconde-se um dever. 
Temos o dever de evoluir a cada dia que passa, no entanto, de uma forma sustentável, considerando o planeta Terra como o nosso único lar e que, portanto, precisa de ser cuidado e conservado. Porque na sombra de um direito esconde-se um dever. Não temos o direito de prejudicar as espécies de seres vivos que coexistem connosco, mas o dever de as proteger, respeitar e ajudar. Tal também e aplica aos animais domésticos. É nosso dever colocarmo-nos na pele deles e compreender que não merecem ser maltratados, mas antes entregues a um lar e a uma família, onde possam receber carinho. Sim, pois os animais também têm direitos. Porque na sombra de um direito esconde-se um dever.
É nosso dever contribuir para a erradicação das guerras, da pobreza e da fome. Todos temos direito à paz, à alimentação, mas é necessário que exista a obrigação de acabar com a tortura, os conflitos, a desumanidade e distribuir os alimentos disponíveis no planeta por todas as pessoas. Porque na sombra de um direito esconde-se um dever.
Os nossos deveres passam também por aceitar o nosso colega de outra etnia, de o inserir na comunidade, de partilhar mutuamente ideias, crenças, cultura. E também por respeitarmos e ajudarmos os incapacitados, permitindo-lhes o acesso a vários cargos e profissões. Porque na sombra de um direito esconde-se um dever.
A criança tem direito a brincar, todavia, tem os seus pequenos deveres, igualmente importantes para o seu desenvolvimento. O aluno tem o direito à educação e o dever de aprender e aplicar os seus conhecimentos para o bem da humanidade. 
Porque na sombra de um direito esconde-se um dever. Esconde-se um dever, mas é fácil de encontrá-lo se estivermos dispostos a procurá-lo. Cada direito tem o seu dever análogo. É ao procurar um dever e ao cumpri-lo que se constrói um mundo melhor, de direitos e deveres. Porque na sombra de um direito esconde-se um dever.
10 de dezembro de 2019

Concurso Nacional de Leitura (fase de escola - ESAF)

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas, mesa e interiores
Na tarde da passada 5.ª feira, 12/12, foram muitos os alunos, do 3.º Ciclo ao Ens. Secundário, que prestaram provas na fase escolar do Concurso Nacional de Leitura 2019/20.
Momentos como este consolidam cada vez mais a convicção de que a promoção da leitura junto dos jovens, o gosto de ler, o contacto com obras da nossa como de outras literaturas, é daqueles desafios pelos quais vale a pena lutar e continuar.
O nosso muito obrigado aos alunos que participaram nas provas de compreensão de leitura realizadas esta tarde em diferentes espaços da ES Alcaides de Faria (no Auditório; numa das grandes salas da escola e ainda na sala de leitura da biblioteca); agradecimento este extensível às professoras de Português que mobilizaram os seus alunos e participaram ativamente, numa profícua parceria com a biblioteca, na consecução de mais uma edição, a nível de escola, do Concurso Nacional de Leitura.
Relembramos que as obras sujeitas a este escrutínio de leitura e compreensão, foram: "Não te Afastes", de David Machado; "Quando Hitler roubou o coelho cor-de-rosa", de Judith Kerr (para os jovens leitores do 3.º Ciclo); "O estrangeiro", de Albert Camus e "A viagem do elefante" de José Saramago (para os jovens do Ensino Secundário).
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas, mesa e interiores
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado

Ecos da evocação da Declaração Universal dos Direitos Humanos

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e interiores
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas e interiores
Ecos da evocação do Dia dos Direitos Humanos na biblioteca da ESAF.
Na 3.ª feira, 10 de Dezembro, em sessão de poesia, música e leitura de textos emblemáticos, evocámos os 71 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela ONU a 10 de dezembro de 1948.
Desta feita, para além de lembrarmos a importância dos direitos humanos e a sua incontornável defesa, em prol de uma sociedade mais humana e ciente de direitos e deveres que a cada um compete, tomou-se como referência três grandes figuras da luta contra o racismo e a opressão - Mahatma Gandhi, Martin Luther King e Nelson Mandela, tendo como fio condutor a inspiradora postura de reação pacífica à arbitrariedade da repressão.
Perante uma plateia constituída por alunos do 3.º Ciclo e do Ens. Secundário, alguns alunos e professores, colaboradores da biblioteca, leram textos sobre as marcantes vivências daqueles grandes homens, interpretaram um profundo, duro e belo poema de Jorge de Sena; um tema cantado a duas vozes; e ainda a apresentação de um texto inédito sobre direitos e deveres,  de Marisa Viana (aluna do 12.º ano), lido pela própria.
Foi singelo, mas profundamente cívico e sensibilizador, este momento de reflexão em torno dos Direitos Humanos, inescapáveis à afirmação de uma verdadeira Humanidade, aquela que quotidianamente fazemos por tentar.
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé
A imagem pode conter: 3 pessoas, interiores
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sentadas e interiores
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, sapatos e interiores

Evocação gráfica dos Direitos Humanos

Evocar os Direitos Humanos por via da criatividade. 
A imagem pode conter: pessoas sentadas e interiores
A imagem pode conter: interiores
A imagem pode conter: pessoas sentadas e interiores
A imagem pode conter: pessoas sentadas e interiores
Obras de alunos do 8.º ano, sob supervisão da prof.ª Fernanda Carvalho, que escolheram a sala de leitura da biblioteca da ES Alcaides de Faria para mostrarem, por via de belos trabalhos gráficos, quão importante é lembrar a DUDH e refletir sobre a concretização de cada um dos artigos da Declaração.

9 de dezembro de 2019

Evocar a Declaração Universal dos Direitos Humanos

Um cartaz para pensar e refletir...
Direitos Humanos: a incessante tarefa em busca da dignidade da Pessoa, um fim em si mesma, nunca um meio.
Amanhã, 10 de dezembro, cumprem-se 71 anos da aprovação da Declaração Universal dos Direitos Humanos pela Organização Mundial das Nações Unidas.
Lembrar a Declaração deve também ser um momento de atenção reflexiva e crítica ao que se passa no mundo atual, e honrar os seus princípios passa por lançar um olhar crítico às incongruências da ação, constatando como é longo o caminho a percorrer. Desde logo porque essa carta de princípios põe a descoberto o tanto que é preciso fazer.
É sob tal perspetiva que se orienta o cartaz que a biblioteca da ESAF põe à vossa consideração este ano.
[concepção do cartaz: Maria J. Oliveira, prof. de Artes na ESAF]

5 de dezembro de 2019

Li, gostei e recomendo... a palavra aos leitores (um outro olhar sobre os livros)

Por estes dias, na sala de leitura da biblioteca, na face de algumas estantes, propostas gráficas alusivas a títulos do nosso acervo. Uma outra via de difundir e recomendar, aos utilizadores deste espaço, livros lidos e apreciados. 
Alunos do 7.º ano, sob orientação da professora de Português, Cristina Gomes, em colaboração com a biblioteca, evidenciam o afã de fazer chegar aos outros, por via de propostas engenhosamente gráficas, o prazer da leitura. 
"Cão como nós" de Manuel Alegre; "Mar me quer", de Mia Couto; e "O manuscrito da grade de ouro", de Anabela Mimoso em coautoria com José Vaz, são obras a descobrir, ora pela graciosidade de uma aguarela, ora pela prazerosa tridimensionalidade de um livro, ora pelos artifícios de um adereço, o pormenor de uma janela que se abre, a cortina que esconde um agradável segredo, ou ainda aquele código digital QR que interpela o teu telemóvel na expetativa de que o leias.