Páginas

1 de dezembro de 2018

Li, gostei e recomendo...a palavra aos leitores

O que nos diz Marisa Viana, aluna do 11.º C, sobre este livro que leu, gostou e recomenda:

A minha breve história
Autor: Stephen Hawking
Editor: Gradiva
Páginas:116
Ano de publicação: 2014
Categoria: Autobiografia



“Após ter ficado deslumbrada por uma das grandes obras de Stephen Hawking – “A teoria de tudo – A origem e o destino do Universo” fui tentada a ler os seus outros livros. Como me tinham oferecido no meu aniversário, comecei pel` A minha breve história.
Em contraste com os restantes livros, mais variados em divulgação científica e conceitos teóricos, este apresenta-se como um livro autobiográfico. Retrata, então, a vida deste magnifico génio, desde a sua infância até ao momento em que o escreve, relatando todas as peripécias e obstáculos que se viu obrigado a enfrentar, dando especial relevo à esclerose lateral amiotrófica com a qual teve que viver desde os seus vinte e um anos. Foi precisamente essa possibilidade de uma morte precoce responsável pela coragem, força e espírito de sacrifício que o acompanharam até morte e que o fez aproveitar muitos bons aspectos da vida, quer como marido e pai, quer como cientista.
Em suma, este relato maravilhoso e sincero é deveras surpreendente, uma vez que Stephen Hawking, já conhecido por dar a conhecer o universo e os seus acontecimentos, desta vez, optou por olhar para dentro de si próprio, permitindo-nos observar, de um modo comovente, uma mente brilhante e uma personalidade reveladora, que só um sábio como ele pode ter.”
[Caro leitor da comunidade escolar da ESAF, este é um livro que possuímos no acervo da nossa biblioteca e, claro, também o podes requisitar]

Evocar e celebrar os Direitos Humanos

[cartaz original de Maria J. Oliveira]
Dentro de dias celebraremos os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos
A 10 de dezembro de 1948, num tempo ainda marcado pelas feridas abertas de uma guerra mundial mortífera e de atrocidades inomináveis, a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamava uma carta fundamental para afirmação dos direitos inalienáveis e indissolúveis do ser humano. Um marco histórico, um documento incontornável que, infelizmente, continuamos a não ver concretizado em tantos locais do nosso planeta. 
Importa pois informar, ler, refletir sobre o alcance desta carta de princípios. Ao nosso modo, também por cá, no seio da comunidade escolar e com a comunidade escolar, pretenderemos sensibilizar para a nobreza daqueles princípios, cientes dos deveres que convocam. 

Ecos da Semana da Ciência e da Tecnologia #6

A Semana da Ciência e Tecnologia encerrou a 24 de novembro, jornada em que se assinala o Dia Nacional da Cultura Científica, instituído em 1996 pelo então ministro da C & T, Mariano Gago (de tão boa memória), em homenagem a Rómulo de Carvalho / António Gedeão, professor, divulgador de ciência e poeta. 
A este propósito decorreu a 23/11, na biblioteca escolar da ES Alcaides de Faria, uma verdadeira jornada de tributo à ciência e aos cientistas. Dela se dá conta neste "post", por via das palavras de um dos alunos (Marisa Viana) da turma (11.ºC); turma que concebeu, preparou e apresentou a sessão "A Ciência vem à biblioteca".
A palavra, pois, à Marisa para nos relatar como foi:
“Ontem, dia 23 de novembro, quase no culminar de uma semana dedicada à ciência e à tecnologia, nós, a turma 11ºC, tomamos a iniciativa de comemorar o Dia da Cultura Científica (que hoje, 24/11, se assinala) na biblioteca da ESAF. Para isso, organizamos a atividade “A Ciência vem à Biblioteca”, que contou com a declamação de poemas, a realização de experiências, divertimento, entre outros, proporcionando ao nosso público uns doces momentos, mergulhando no vasto mar de conhecimentos que é a Ciência. 
Desde experiências envolvendo fúria e ânimo até poemas calmos e confortantes, esta atividade foi, de facto, uma mistura de sentimentos, de ideias e opiniões, permitindo a passagem da mensagem sobre a Ciência aproximando-a do público. Devido ao esforço e trabalho de toda a turma e ainda com a colaboração da audiência, constituída por alunos como nós, conseguimos, realmente, mostrar a importância da Ciência nas nossas vidas que, aparentemente parecem simples e curtas, mas, na verdade, escondem grandes mistérios. Além disso, através desta atividade, tivemos a oportunidade de revelar aos presentes que na Ciência também há obstáculos e desilusões, assim como os há nas nossas vidas. Mas o mais importante é que todos devemos agir como os cientistas, no nosso dia a dia, ou seja, devemos ter espírito de persistência e a capacidade de aceitar as falhas e aprender com elas. Por último, queríamos agradecer a todos os que vieram assistir, aos meus colegas pelo trabalho que tiveram, aos professores que também intervieram neste processo e à biblioteca por nos ter convidado. E ainda vos deixo aqui um conselho: Não precisam de fazer parte da Ciência, mas devem deixar que a Ciência faça parte de vós!”
[Gratos aos alunos do 11.ºC, aos professores Cecília Esteves e David Ferreira, e a todos aqueles que a seu modo também contribuíram um pouco para a materialização desta sessão]


Ecos da Semana da Ciência e da Tecnologia #5

Quinta-feira, 22/Nov., num ambiente de ciência com humor e muita, muita alegria, alunos da professora Madalena Pinto, encantaram e divertiram os muitos alunos e outros elementos da comunidade escolar, que encheram por completo os dois pisos da biblioteca da ESAF. Ao longo de mais de uma hora, a biblioteca foi palco de um interessante espetáculo, onde a diversão aliada à ciência marcou presença. Numa sucessão de breves mas cómicos apontamentos sobre cientistas e inventos, interpretados por alunos de diferentes anos de escolaridade; com lugar para a música e canções na onda, e com a dança de permeio, fez-se menção à ciência de forma lúdica e motivadora.
Assim acontece na Semana da Ciência e Tecnologia da ESAF!

Ecos da Semana da Ciência e da Tecnologia #4

Ciência para todos. 
Em período de celebração da cultura científica e tecnológica (19 a 24/Nov., na BESAF) sucedem-se as visitas de alunos dos diferentes anos e níveis à biblioteca, por estes dias também em modo de laboratório.

Ecos da Semana da Ciência e da Tecnologia #3

Semana da Ciência em curso.
Mais uma breve sessão de ciência, realizada a 21 de novembro na biblioteca da ESAF, desta vez no contexto da Química. Alunos do 9.º ano, sob supervisão da professora Filomena Pedras, de acordo com os procedimentos técnico-laboratoriais necessários, as devidas explicitações científicas e ainda as incontornáveis precauções de segurança, procederam à experiência laboratorial da combustão do Magnésio. Houve tempo ainda para se falar das propriedades dos elementos químicos envolvidos e da importância da Química na nossa vida.

Ecos da Semana da Ciência e da Tecnologia #2

Breves sessões de ciência na biblioteca da ESAF, de alunos e para alunos. 
A 20 de novembro, relembrou-se quão antigo é o nosso planeta, biliões de anos e uma sucessão de eras geológicas depois para constatarmos a simples evidência de que, na história da Terra, acabamos agora mesmo de surgir, nós os humanos.
E assim viajamos no friso do tempo, desde as origens até ao presente. 
Uns minutos de ciência, na Semana da Cultura Científica, pelo conhecimento e também pela criatividade dos alunos de duas turmas que, esta tarde, na sala de leitura e perante outros colegas, partilharam conhecimentos.
[Gratos aos alunos e às professoras Carminda e Ludovina]

Ecos Semana da Ciência e da Tecnologia (C & T) #1

Todos sabemos que no miolo das estantes da biblioteca vivem ideias, teorias, teses, obra de escritores, pensadores cientistas... por lá encontras obras que vão da literatura ao cinema, da biologia à bioética, da ciências sociais às matemáticas, da psicologia às ciências aplicadas, e, por estes dias, um ambiente de laboratório com equipamentos e materiais ligados ao mundo dos fenómenos científicos.
Vem e visita! Estamos na Semana da Cultura Científica e Tecnológica (19 a 24/11).

18 de novembro de 2018

Semana da Ciência & Tecnologia 2018

Aí está a Semana da Cultura Científica (Ciência e Tecnologia), numa iniciativa conjunta das áreas disciplinares de Biologia/Geologia; de Física e Química, e também da biblioteca escolar.
Por estes dias vamos evocar o labor científico, a prática e a teoria, trazer o laboratório e a experiência científica à sala de leitura da biblioteca, entre outras atividades que dão conta do papel da ciência no contexto do vasto conhecimento humano.

14 de novembro de 2018

Acontece na Biblioteca

No quadro da evocação do Dia Mundial da Filosofia, realiza-se amanhã, 15/11, em duas sessões (10H e 15H00), na sala de leitura da biblioteca da ES Alcaides de Faria, uma sessão filosófica com a apresentação de um filme, seguido de debate, sobre uma temática que nos toca a todos e a cada um e que se prende com a inscrição, enquanto sujeitos humanos, no tecido social.
A iniciativa parte dos alunos do Clube de Debates da ESAF, clube de pensamento crítico, que tem orientação da professora Maria Emília Torres, e articula com a biblioteca escolar. Intitula-se "Virtual(mente) - Construção Virtual vs. Contrato Social" e promete desacomodar interpelando-nos.

Dia Mundial da Filosofia 2018

[Cartaz: Maria José Oliveira]
Amanhã, 15/11, evocaremos o "Dia Mundial da Filosofia", instituído pela UNESCO em 2002,com o objetivo de convocar a necessidade da reflexão filosófica. A evocação anual do Dia da Filosofia assinala-se, por proposta daquela entidade, na terceira quinta-feira do mês de novembro. 
É nosso entendimento que a reflexão filosófica deve estar na ordem do dia de todos e de cada um, sublinhando-se o facto de que a mesma não é, de forma alguma, algo que se dilui ou se perde em abstrações desligadas do real, mas sim que se imbrica na realidade quotidiana. 
Numa iniciativa conjunta do Clube de Debates / Área de Filosofia e da biblioteca escolar, vamos celebrar a importância da Filosofia e da atitude racional crítica face à realidade que nos envolve e da qual somos parte ativa. 

31 de outubro de 2018

Exposição na biblioteca: "Día de los Muertos" e sugestões de leitura

Este ano, os alunos de Espanhol, sob orientação da professora Paula Machado, levam-nos a uma tradição que vem de lá do outro lado do Atlântico... Ora adivinhem?
Isso, uma incursão no México, mais propriamente numa das suas mais emblemáticas tradições festivas - Dia de los Muertos - tão antiga, tão antiga, rezam as crónicas, que chegam desde os tempos dos povos nativos e seus rituais, dos tempos dos impérios desaparecidos (Maias, Aztecas e outros) . Festiva, dizíamos nós! Pois sim, a morte vista sob um outro prisma, que não o da sorumbática melancolia de outros; a morte como fim, mas também como princípio de um novo ciclo, a morte como parte da vida. E é para isso que nos remetem os trabalhos expostos: caveiras, esqueletos e outra iconografia, face à qual não se fica indiferente e nem tampouco se esconde um certo fascínio...
E como da evocação da morte se trata, aqui vista sob um prisma diferente da tradição judaico-cristã, nada como apresentar uma ou outra sugestão bibliográfica; sendo que, para os mais novos, "Coco", o livro do filme, que ainda há pouco tempo fascinou tantos - bela e enternecedora viagem ao mundo dos mortos; e, para os mais adultos, aqueles que não dispensam um bom texto de literatura pura, nada como Juan Rulfo, com o magnífico livro que é "Pedro Páramo", uma daquelas obras que se lê e jamais se esquece, rica pelo virtuosismo da melhor prosa, densamente poética e fantasmagórica, verdadeiramente mítica. Para quem não conhece, Juan Rulfo, autor de paragem obrigatória e inolvidáveis momentos de leitura.
A ver, pois; e a ler também... na biblioteca da ESAF!

Sob o signo de Halloween

Por esta altura, no espaço da biblioteca, entre prateleiras, estantes e paredes, estranhas figuras, com o seu quê de fantasmagórico, parecem querer povoar os sonhos (ou pesadelos!) dos nossos leitores e utilizadores. Elas são as bruxas, gatos negros, mesmo ratos entre livros (quais ratos da biblioteca!), certas casas assombradas, até vassouras e chapéus e outros símbolos que tais... na evocação de que o Halloween está aí. E a par de toda esta iconografia, há também sugestão de leituras a apelar ao imaginário, leituras sombrias, daquelas que provocam arrepios e desencadeiam medos... leituras de Edgar. A. Poe a Mary Shelley,  leituras para os que não dispensam uma boa dose de mistério... 
Tem disto a evocação do Halloween. 
Lá teriam as suas razões os Celtas quanto à chegada das longas noites de Inverno!

30 de outubro de 2018

No mês das bibliotecas escolares... a palavra aos leitores #1

Ao longo deste mês de outubro - mês das bibliotecas escolares - que ora chega a seu termo, de entre as atividades alusivas ao papel e importância das bibliotecas em contexto educativo, desafiamos os leitores / utilizadores / alunos a pronunciarem-se sobre a biblioteca da ESAF, que tão vastas vezes frequentam em busca de informação, de apoio, de espaço para estar e ser, de convívio, de estudo, de livros... 
Quer no mural instalado para o efeito - vox populum - quer no contexto das atividades, espaço houve para dizerem de sua justiça... gostamos do que lemos e ouvimos, falsa modéstia à parte, e não resistimos a transcrever o que disse a Marisa Viana, aluna do 11.º ano, perante uma biblioteca cheia, no dia de celebração das bibliotecas escolares (22 de outubro). 
Eis o tributo... que muito agradecemos e tão bem inscreve a biblioteca como um espaço que, para além do coração da escola, marca ainda presença no coração daqueles que a apreciam verdadeiramente.

Por que frequento a biblioteca?
A semana passada fui desafiada para vir aqui hoje falar-vos do que me leva a vir à biblioteca. Então, por que frequento a biblioteca? Ou melhor, por que gosto de frequentar a biblioteca? Ora, bela pergunta! Agora é que me tramaram! Nunca pensei em tal coisa! Acho que vou à biblioteca quase por instinto! Mas deixem-me lá ver as razões… que deve haver muitas, com certeza!
Por que gosto de frequentar a biblioteca?
Primeiro, gosto de ler! É isso, adoro ler! E onde é que há muitos livros? Numa biblioteca, claro! E, como se vê, nesta há muitos! Gosto de vir aqui à biblioteca, quer seja para requisitar um livro, quer para me sentar ali num sofá a ler, sob a fresca brisa que passa pela janela entreaberta! Sempre que quero ler um novo livro, percorro lentamente as prateleiras e, conforme vou tocando nas capas dos livros, vou selecionando aqueles que gostaria de ler. No fim, acabo por ficar indecisa, pois, por cada livro que pego, um novo interesse desperta. Mas é este o espírito que eu encontro em todas as bibliotecas e esta não é exceção: ou seja, a vontade de querer ler sempre mais e nunca estar contente com o muito que já li.
Outra razão por frequentar a biblioteca é o facto de nela poder adquirir mais conhecimento. De facto, na biblioteca temos vários instrumentos ao nosso dispor, desde dicionários a enciclopédias. Podemos considerá-la, na verdade, uma fonte grátis de informação. E como o saber não ocupa espaço, por que não vir até aqui procurar esse saber e, assim, enquanto aprendemos, dá-mos uso e vida a biblioteca.
Há também outro aspeto que eu gosto muito nas bibliotecas escolares e, particularmente, na nossa: a organização de muitas atividades. Eu tento participar ao máximo em concursos e atividades que se vão desenvolvendo ao longo do ano, já que vou interagindo com várias temáticas e, para além disso, convivo com outros alunos e fico a conhecer os seus talentos.
E pronto, existem muitas mais razões, mas não me lembro de mais nenhuma...
Ah! Esperem lá! Eu esqueci-me de dizer algo que me incentiva ainda mais a vir a esta biblioteca: a simpatia dos funcionários, dos professores, dos colaboradores, a sua disponibilidade para ajudar e o incentivo que dão aos alunos; para além da beleza do espaço, com uma decoração muito apelativa.
Por estes motivos e por muitos outros, eu não sei como seria se algum dia esta biblioteca deixasse de funcionar. Sei apenas que seria como se uma parte de mim fosse apagada, parte essa essencial para o meu bem-estar. Por essa razão, tenho muito a agradecer àqueles que dedicam o seu tempo e a sua alma à biblioteca e, por outro lado, aconselho-vos e incentivo-vos a frequentar este espaço para que não deixemos “morrer” a biblioteca e essa parte que existe em nós, os frequentadores da biblioteca, continue bem viva! (Marisa Viana, aluna do 11º ano, ESAF)

23 de outubro de 2018

Um tributo à biblioteca

Ontem, 22 de outubro, foi um dia muito especial na biblioteca da ESAF. Pelas palavras, pela música, as imagens e os artefactos tão graciosamente alusivos à evocação em causa, alunos e professores, em casa cheia, prestaram tributo à biblioteca e dela falaram com amizade e, não tenhamos receio das palavras, genuína gratidão que, afinal, é bem recíproca. 
Tratava-se de lembrar quanto se gosta da biblioteca, quanto se valoriza os seus recursos, a sua abertura ao meio, o seu papel no seio da escola. Por isso, gratos aos alunos e aos professores que fizeram do dia de ontem aquele dia, o dia das bibliotecas como espaços abertos e democráticos, locais de livre acesso à informação e ao conhecimento. Gratos sempre por, em cada ato e em cada momento, ser também este um espaço de inclusividade (mas poderia ser de outro modo?!). Gratos por termos a oportunidade de ouvir palavras de tributo tão doces, vindas daqueles que reconhecem na biblioteca um local de eleição; gratos pelas melodias que ecoaram entre livros e pessoas; gratos pela marioneta leitora que tão bem apregoou a magia da biblioteca; gratos aos alunos que, à sua maneira muito especial, representaram um pouco da rotina de uma biblioteca: quando um livro sai da estante e vai na mão do leitor, pronto a reviver-se de novo numa mente ávida de histórias, mas também de conhecimento e da sabedoria dos mestres.
Ontem foi dia da biblioteca, hoje, amanhã e depois, assim continuará. 
Sejam bem-vindos, leitores!