Páginas

6 de novembro de 2019

Sophia - em dia de centenário

A 6 de novembro de 1919 nascia Sophia de Mello Breyner Andresen, figura incontornável da literatura portuguesa contemporânea. A riqueza intemporal da sua criação literária, que perdura e dignifica a cultura portuguesa, a cristalina medida justa da sua poesia, o puro envolvimento da sua prosa poética e a arcádica tessitura dos seus contos, que continuam a fascinar gerações, mobilizam a evocação de uma mulher que, para além das letras, também foi de causas.
Assim, em jeito de homenagem e tributo, voltamos a convocar hoje, na sala de leitura da biblioteca, uma exposição de painéis, intitulada - Sophia: ensaio gráfico - (trabalho criativo realizado, há alguns anos, por uma turma do curso profissional de técnico de multimédia, sob a orientação do prof. David Figueiredo). Em paralelo, logo à entrada da biblioteca, expusemos também vários livros de Sophia em mostra bibliográfica, sem esquecer uma breve resenha com dados sobre a vida e obra desta grande senhora da literatura portuguesa do século 20.

1 de novembro de 2019

Halloween na biblioteca

O Halloween pela via da literatura, do teatro, da música e da dança, a esconjurar medos, lembrando que às longas noites de inverno se sucederão os dias luminosos. Mas, por ora, é de histórias assombradas, de poemas e poetas alucinados, de palavras, sons e visões que amedrontam, que se trata, mesmo sabendo que importa suspender a crença e assumir que fantasmagóricos seres, noctívagas aves, sons de portas que rangem, até gritos pelos corredores dos castelos e palácios, presságios e outras assombrações, tomam a nossa imaginação e a fazem galopar.
E assim se evocou o Halloween na biblioteca da ESAF, convocando Edgar A. Poe (The masque of the red death), José Régio (O poeta doido, o vitral e a santa morta), mas também os poetas Francisco de Quevedo e António Machado e ainda as palavras de um aluno (Bruno Pinho) com um poema alusivo ao espírito do dia. O espaço da biblioteca transmutou-se com adereços a preceito e toda uma mise-en-scène adequada à encenação dramática das palavras e dos gestos, da música e da ambiência que, por momentos, nos transportou ao tempo das histórias que assustam e até povoam os nossos sonhos ou pesadelos.
[Gratos aos alunos/as, ao prof. Rui Campos, Marieta Barbosa, Maria José Oliveira e à equipa da biblioteca escolar, pelos momentos proporcionados, a recordar que as bibliotecas são também casas de histórias, histórias que enformam os livros, tantas delas de assombração e temor, prazenteiramente fantásticas.]

Leituras para a fase interna do Concurso Nacional de Leitura 2019/20

Já decorre a 1.ª fase (a nível de escola) do Concurso Nacional de Leitura (que este ano cumpre a sua 14.ª edição) e mais uma vez contamos com a tua participação (se és alunos da ESAF) nesta importante e reconhecida iniciativa de leitura para crianças e jovens. 
As obras selecionadas para leitura, aqui no nosso Agrupamento e no que toca aos escalões de 3.º Ciclo e Ensino Secundário (regular e profissional), são as que se indicam a seguir:
Títulos requisitáveis na biblioteca da escola, embora sujeitos à disponibilidade de exemplares existentes. 

Ensino Básico (3º Ciclo) 
Não te afastes , de David Machado, Editorial Caminho, 2018
Quando Hitler roubou o coelho cor-de-rosa, de Judith Kerr, Ed. Booksmile, 2018

Ensino Secundário 
O Estrangeiro, de Albert Camus, Ed. Livros do Brasil                 
A viagem do elefante, de José Saramago, Porto Editora

Não deixes de te inscrever junto do teu professor de Português ou nos serviços da biblioteca escolar da ESAF. 
Lê, desfruta das histórias e participa!

31 de outubro de 2019

Vamos imaginar! Dia das Bibliotecas Escolares

Ecos de um dia especial. 
Ecos do dia evocativo das biblioteca escolares, celebrado na biblioteca da ES Alcaides de Faria, na passada segunda-feira, 28/10, com leituras encenadas, poesia e prosa, música e dança, e o prazer de podermos desfrutar de um espaço que para além de promotor de literacias, de apoio ao currículo e de fomento da leitura, é também um local de convivialidade e alegria.
Mas o cunho especial deste mesmo dia em que se lembrou a importância das bibliotecas, também fica associado ao facto de, pela primeira vez neste espaço e em apresentação à comunidade, termos ouvido o hino das bibliotecas do Agrupamento. Música original, letra original, a condizer com o valor e importância que estas estruturas assumem no seio da comunidade educativa. 
E depois do hino inédito e tão especial para nós; foi altura de dar voz às palavras e à literatura com leitura encenada de excertos, música e dança, num momento de esfuziante alegria.
Gratos aos professores e alunos envolvidos, gratos ainda ao Clube de Música e aos compositores do hino das bibliotecas do Agrupamento Alcaides de Faria.

29 de outubro de 2019

Halloween com literatura

Aproveitando o ensejo de, por estes dias, nomeadamente a 31 de outubro, se convocar tradições ligadas ao Halloween (tão presente no mundo anglo-saxónico e um pouco por todo o mundo), ao “Dia das Bruxas” e mesmo ao “Día de los Muertos” (tão típico do México e outros países latino-americanos), tradições essas associadas a rituais celebrativos de diferentes povos e culturas; também nós por cá, como tem sido hábito, nos preparamos para uma aproximação literária, gráfica e lúdica, ao espírito de um tempo que convoca, afinal, a vida e esconjura os medos. 
Não, não se trata apenas de evocar por evocar o Halloween, pelo cariz lúdico da festa, mas sobretudo convocar o espírito do tempo para, em sintonia, dar a conhecer o fulgor de uma certa poesia impressiva ou o poder encantatório, quanto fascinantemente temível, das narrativas góticas de séculos passados. E é assim que também por esta via chegamos aos livros, às leituras e aos autores, sejam eles José Régio, Edgar A. Poe, António Machado ou Quevedo. 
A conferir já na próxima 5.ª feira, na sala de leitura da biblioteca da ESAF, numa proposta diferente para quem quer enfrentar o medo e se julga pouco sugestionável. Aceitas o desafio?

23 de outubro de 2019

À conversa com David Machado - sobre livros, leitura e escrita

É sempre motivo de imensa satisfação quando uma biblioteca recebe um escritor e, nesse contexto, face a face, podem os leitores ouvi-lo e interpelá-lo. Motivo de satisfação acrescida quando o autor se chama David Machado, reconhecido no panorama literário contemporâneo e que faz parte de uma geração de novos autores da nossa língua que têm conquistado, da parte do público leitor (dos miúdos aos graúdos), entusiástica receção. A sua obra faz jus a esse reconhecimento. Motivo acrescido ainda quando se olha e vê uma biblioteca apinhada de alunos e professores, leitores de diferentes idades, num espaço como este onde a leitura, os livros e as histórias são sempre tão especiais. 
Assim aconteceu esta manhã, pelas 10h, num momento de partilha e de leituras! David Machado, com obra feita nos domínios da ficção literária, do romance e do conto às narrativas de cariz infanto-juvenil, com títulos premiados em diversos contextos: Prémio Branquinho da Fonseca, da Fundação Calouste Gulbenkian e do jornal Expresso (2005); Prémio Autor SPA/RTP 2010 (melhor livro juvenil); Prémio da União Europeia para a Literatura - 2015 (com o livro Índice Médio de Felicidade, que em 2017 foi transposto para o grande ecrã pelo realizador Joaquim Leitão); esteve connosco e falou-nos do seu ofício de escritor, do seu universo ficcional, das suas obras e das temáticas que as atravessam. Na sua pessoalíssima alforge de escritor já lá constam livros (da sua lavra), tais como: Histórias Possíveis (2008); A Noite dos Animais Inventados (2006); O Fabuloso Teatro do Gigante (2008); Acho que posso ajudar (2014);  Deixem Falar as Pedras (2011); Índice Médio de Felicidade (2013); Debaixo da Pele (2017); Não te afastes (2018), entre outros títulos. 
Hoje tivemos o gosto de ouvir belas passagens, lidas pelo autor, de um título seu mais recente, o livro Não te afastes, aventurosa incursão do jovem Tomás pelos meandros da grande cidade (mas sob os efeitos devastadores de um furacão - qual dilúvio de proporções inauditas) em fuga e, paradoxalmente, em busca de si próprio, confrontando os seus medos, mas também e de forma inusitada pondo à prova a resistência da sua coragem. Sem levantar demasiado o véu sobre a trama deste último romance para todas as idades, aludiu ainda a uma amizade improvável e só concebível em momentos extraordinários, como os vividos pela personagem Tomás.
Sim, o Índice Médio de Felicidade (no nosso entender, uma elegia à esperança quando confrontados com a queda, a crise e o caos vivencial) marcou também presença na conversa desta manhã, desde logo com a leitura, pela prof.ª Marieta, de um trecho emblemático daquele livro e com a chamada à colação de uma temática também ela perceptível no contexto experiencial de várias das suas obras: o medo, a coragem, a esperançosa busca da felicidade, sem que dela se faça um totem nem tão pouco um obsessivo "Eldorado". 
E assim foi, hoje, à conversa com David Machado, cientes de que com encontros assim chegamos um pouco mais aos leitores, em prol de mais e melhor leitura, mas também de conhecimento do que se faz na literatura portuguesa contemporânea.
[Gratos ao escritor, ao Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares de Barcelos, à Biblioteca Municipal de Barcelos]


21 de outubro de 2019

À conversa com o escritor David Machado | 4.ª feira (23/10) > 10h05 > na biblioteca da ESAF

É já na próxima 4.ª feira, 23/10, pelas 10H05, que contaremos com a presença deste escritor aqui, no local habitual de leitores, leituras e livros.
David Machado nasceu em Lisboa em 1978. Autor com obra feita nos domínios da ficção literária, do romance e do conto às narrativas de cariz infanto-juvenil, com títulos premiados em diversos contextos: Prémio Branquinho da Fonseca, da Fundação Calouste Gulbenkian e do jornal Expresso (2005); Prémio Autor SPA/RTP 2010 (melhor livro juvenil); Prémio da União Europeia para a Literatura - 2015 (com o livro Índice Médio de Felicidade, que em 2017 foi transposto para o grande ecrã pelo realizador Joaquim Leitão). 
David Machado é um escritor com mérito reconhecido no panorama literário contemporâneo, faz parte de uma geração de novos autores e tem merecido da parte do público leitor, dos mais novos aos adultos, receção entusiástica. O autor tem vários romances e contos traduzidos e publicados em diferentes países. Da sua lavra contam-se obras como: Histórias Possíveis (2008); A Noite dos Animais Inventados (2006); O Fabuloso Teatro do Gigante (2008); Acho que posso ajudar (2014);  Deixem Falar as Pedras (2011); Índice Médio de Felicidade (2013); Debaixo da Pele (2017); Não te afastes (2018), entre outros títulos.  
Venha conhecer um pouco mais este autor e aproveite a oportunidade de com ele conversar sobre os seus livros, a escrita, a leitura, o poder das histórias.
[A vinda do escritor à nossa biblioteca escolar resulta da parceria entre a RBEB - Rede de Bibliotecas de Barcelos / SABE Bcl]

30 de setembro de 2019

Mês das Bibliotecas Escolares... a chegar

Outubro está a chegar e com ele a evocação das bibliotecas escolares como estruturas de literacia e apoio ao currículo, de suporte à leitura e à aprendizagem; espaços hoje imprescindíveis no seio da comunidade educativa. 
O tema deste ano do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, em consonância com o que foi internacionalmente proposto, é: "VAMOS IMAGINAR" ("Let`s Imagine"), que dá lastro à imaginação e abre a porta às possibilidades que as bibliotecas possuem na concretização do seu labor em prol de mais e melhor leitura, mais e melhor acesso ao conhecimento e ao seu leque de possibilidades outras, quantas vezes inimagináveis.
E por falarmos em imaginação, também ela importante na configuração daquilo que somos, disse esse grande cientista do século XX, Einstein, que a imaginação é mais importante do que o conhecimento, porque o conhecimento leva-nos de A para B, ao passo que a imaginação leva-nos para todo o lado, e já Feynman, outro grande cientista, nos falava dos prodígios da imaginação, da imaginação no contexto da produção de conhecimentos. 
Na esteira das possibilidades que a imaginação nos abre e quanto ela pode valer para a construção do conhecimento, para a configuração da literatura, das artes e das ciências, aqui partilhamos o nosso cartaz deste ano, alusivo à celebração das bibliotecas, que, nas palavras da sua autora, Maria José Oliveira, transporta-nos "ao mundo fantástico e harmonioso da leitura, onde folhas geométricas circulares representam "janelas" para o conhecimento, sendo que no centro da imagem e em fundo, a figura da criança representará o imaginário dos livros, das leituras repletas de formas, cores, aromas", assim como vias abertas para o conhecimento.

29 de setembro de 2019

Em cada viagem, uma aprendizagem

Os Caminhos de Eva, tertúlia em tom de relato pessoal e caloroso, estão de volta à sala de leitura da Biblioteca da ES Alcaides de Faria, a 8 de outubro, pelas 15h00.
Sob o mote: "Em cada viagem, uma aprendizagem", Eva Martins, depois de há dois anos ter fascinado a atenção daqueles que à biblioteca da ESAF se deslocaram para seguirem os meandros das muitas viagens pelo mundo que a professora e viajante já realizou, estará novamente connosco em tertúlia para, desta feita, nos falar da fascinante viagem de bicicleta por um país de fogo e gelo, de paisagens lunares tão inóspitas quanto belas, de vulcões, geisers, neves eternas, montanhas e lagos, mas também, acrescente-se, de gentes que prezam a poesia e as sagas intemporais, terra de figuras como Halddór Laxness ou da incontornável voz de Björk...
A não perder, na sala de leitura da tua biblioteca escolar, espaço de partilha e literacias, de leitura e aprendizagens, onde as viagens também marcam presença.
Eva Martins, professora de Educação Física na Escola Sec. Alcaides de Faria, não esconde o seu espírito de aventura, de abertura à viagem, à descoberta, à imersão em experiências que formam e nos tornam mais ricos física e espiritualmente. Nas suas andanças já trilhou caminhos em diferentes continentes e diferentes países: Índia, África do Sul, Namíbia, Botswana, América do Norte, Perú, Chile...
Será um gosto voltar a ouvi-la e a vê-la partilhar as suas experiências inspiradoras!

23 de setembro de 2019

Boas Leituras. Bons Estudos. Bom Ano Letivo.

Desde 12 de setembro (com receção a novos alunos na escola e respetivos encarregados de educação) que a biblioteca escolar está de portas abertas, após uma pausa desde meados de agosto. 
Voltou a azáfama do quotidiano, o ritmo dos dias harmoniza-se gradualmente, novos e já conhecidos alunos - leitores deambulam entre estantes e computadores, conhecem cantos e recantos, inteiram-se sobre o que podem esperar da sua biblioteca escolar.
As palavras são de boas-vindas e com elas uma magnífica peça de pasta de papel, simbolicamente alusiva ao ato de ler, recebe-te a ti aluno/leitor para mais um ano de boas leituras, boas pesquisas, bom estudo, sucesso e sobretudo alegria em convivermos juntos na aventura do conhecimento.
Por isso, o nosso voto de boas-vindas e os desejos de que este seja um ano excelente!

18 de junho de 2019

Li, gostei e recomendo... a palavra aos leitores

O que nos diz Dinis Dantas, aluno do 7.ºB da ESAF, sobre este livro que leu, gostou e recomenda:

O vendedor de passados

Autor:                         José Eduardo Agualusa
Editor:                        Publicações Dom Quixote
Categoria:                  Romance
Ano de publicação:  2004
N.º de págs.:              231


“Recentemente li o livro “O vendedor de Passados” escrito por José Eduardo Agualusa. Um dia, estava eu a explorar as prateleiras da biblioteca da minha escola e deparei-me com este livro. Peguei nele, observei-o e reparei que já havia lido um livro deste autor, do qual tinha gostado. Reparei no título, pareceu-me deveras aliciante e, então, decidi levá-lo.
Tal como refere o título, o livro fala-nos sobre um vendedor de passados, o angolano Félix Ventura, albino solitário, que cria e vende árvores genealógicas e que tem como única companhia a empregada de casa e o seu animal de estimação, uma osga, que testemunha todos os eventos e os narra.
Os clientes de Félix (como já deves imaginar) são os membros da alta sociedade angolana. E esse foi precisamente o assunto de que eu mais gostei no livro, ver de forma mais próxima as fortunas que a suposta burguesia está disposta a pagar para satisfazer os seus desejos mais fúteis e supérfluos, como, por exemplo, ter um antepassado importante. Foi assim que eu vi este livro, uma crítica à alta sociedade de uma Angola pós colonial.
Para ti, que ainda não chegaste à obra ou estás a ponderar lê-la, recomendo que prestes atenção à personagem de nome Ângela Lúcia, mais propriamente ao seu corpo, pois, na minha opinião, ele traduz na perfeição as atrocidades cometidas numa guerra que assolou o país. Quem por ventura tenha lido o livro saberá bem do que falo.
Para mim, esta leitura foi, de facto, muito enriquecedora. Estou certo de que também o será para ti!”
[livro disponível na biblioteca]

12 de junho de 2019

BESAF Foto 2019 - já são conhecidos os vencedores desta edição

A edição de 2019 do BESAF foto (12.ª edição), concurso de fotografia promovido pela biblioteca escolar da Alcaides de Faria, que assumiu como tema "Ambiente à minha volta", já tem vencedores. Margarida Araújo, aluna do 12.ºJ, é a vencedora da presente edição
O júri, reunido no dia 11 de junho, atribuiu ainda o 2.º e 3.º prémios aos trabalhos das alunas: Ariana Silva (12.ºF) e Valéria Sousa (11.ºI), respetivamente. 
[Margarida Araújo]


[Ariana Silva]


[Valéria Sousa]

Mereceram menção honrosa os trabalhos das alunas: Madalena Mota, 12.ºH; Beatriz Silva, 11.ºI; e Ana Ferreira, 7.ºI.
Para além dos trabalhos vencedores estão também em exposição, na sala de leitura da biblioteca da ES Alcaides de Faria, outras fotografias merecedoras de atenção e que justificam a visita da comunidade educativa. 
Parabéns aos premiados e agradecidos a todos os alunos/as que participaram neste concurso.
Veja aqui a galeria virtual das fotos em exposição.

9 de maio de 2019

Li, gostei e recomendo... a palavra aos leitores

O que nos diz Marisa Viana, do 11.ºC da ESAF, sobre este livro que leu, gostou e recomenda:

A Rapariga que roubava livros

Autor:                         Markus Zusak
Editor:                        Editorial Presença
Colecção:                   Grandes Narrativas
Categoria:                  Romance
Ana de Publicação:  2008
N.º de págs.:             468


"Após escutar a opinião de uma amiga e ter sido incentivada pela mesma, decidi, nas férias do verão passado, mergulhar na leitura da história “ A rapariga que roubava livros” de Markus Zusak.
Tendo como narradora a “morte”, esta história relata a vida de uma rapariga em Molching, algures em Munique em plena Segunda Guerra Mundial. Liesel, após perder o irmão e ser abandonada pela mãe, vai viver com Rosa e Hans, os seus pais adotivos, com os quais vai estabelecendo laços paternos. Também conhece Rudy, o vizinho com o qual irá embarcar em perigosas aventuras, e Max, um judeu, que se tornara um amigo inesquecível. Adorando ler, Liesel não resiste a roubar livros e é através das palavras que ela encontra a coragem suficiente para sobreviver aos tempos difíceis que atravessa. 
Escrito de uma maneira pormenorizada, este livro surpreende-me, na medida em que retrata, de forma clara, os sentimentos e atitudes das pessoas perante o horror da guerra e é capaz de suscitar no leitor as vivências da mesma situação.
Em jeito de conclusão, embora seja um livro que fale de tempos horríveis e pessoas cruéis, creio que, acima de tudo, é uma obra que transmite a verdadeira coragem e o espírito de sacrifício."
[Para ti, leitor da comunidade da ESAF - este livro está disponível no nosso acervo documental]

Evocar a tradição dos "Maios"

Por estes dias, na sala da biblioteca e com o seu quê de decorativo, a evocação da tradição dos "Maios" ou "Maias" alusiva a ritos ancestrais ligados à Primavera... criações de alunos do 7.º e 8.º ano que, nas aulas de Educação Tecnológica, recriaram gestos que ainda hoje se repetem no enfeitar de batentes de portas, nas janelas, carros agrícolas... 
Recriados com materiais reciclados e recicláveis, eis uma reconfiguração da tradição por via do labor e do engenho de vários alunos.

Mostra de trabalhos sobre Desenvolvimento Sustentável

Por estes dias, na sala de leitura da biblioteca, mostra de trabalhos de alunos do Ens. Profissional (turmas 10P2 e 10P5) em torno da questão do Desenvolvimento Sustentável e no âmbito da componente transversal de Cidadania e Desenvolvimento (sob coordenação do prof. Carlos Pedroso).