Páginas

18 de junho de 2019

Li, gostei e recomendo... a palavra aos leitores

O que nos diz Dinis Dantas, aluno do 7.ºB da ESAF, sobre este livro que leu, gostou e recomenda:

O vendedor de passados

Autor:                         José Eduardo Agualusa
Editor:                        Publicações Dom Quixote
Categoria:                  Romance
Ano de publicação:  2004
N.º de págs.:              231


“Recentemente li o livro “O vendedor de Passados” escrito por José Eduardo Agualusa. Um dia, estava eu a explorar as prateleiras da biblioteca da minha escola e deparei-me com este livro. Peguei nele, observei-o e reparei que já havia lido um livro deste autor, do qual tinha gostado. Reparei no título, pareceu-me deveras aliciante e, então, decidi levá-lo.
Tal como refere o título, o livro fala-nos sobre um vendedor de passados, o angolano Félix Ventura, albino solitário, que cria e vende árvores genealógicas e que tem como única companhia a empregada de casa e o seu animal de estimação, uma osga, que testemunha todos os eventos e os narra.
Os clientes de Félix (como já deves imaginar) são os membros da alta sociedade angolana. E esse foi precisamente o assunto de que eu mais gostei no livro, ver de forma mais próxima as fortunas que a suposta burguesia está disposta a pagar para satisfazer os seus desejos mais fúteis e supérfluos, como, por exemplo, ter um antepassado importante. Foi assim que eu vi este livro, uma crítica à alta sociedade de uma Angola pós colonial.
Para ti, que ainda não chegaste à obra ou estás a ponderar lê-la, recomendo que prestes atenção à personagem de nome Ângela Lúcia, mais propriamente ao seu corpo, pois, na minha opinião, ele traduz na perfeição as atrocidades cometidas numa guerra que assolou o país. Quem por ventura tenha lido o livro saberá bem do que falo.
Para mim, esta leitura foi, de facto, muito enriquecedora. Estou certo de que também o será para ti!”
[livro disponível na biblioteca]

12 de junho de 2019

BESAF Foto 2019 - já são conhecidos os vencedores desta edição

A edição de 2019 do BESAF foto (12.ª edição), concurso de fotografia promovido pela biblioteca escolar da Alcaides de Faria, que assumiu como tema "Ambiente à minha volta", já tem vencedores. Margarida Araújo, aluna do 12.ºJ, é a vencedora da presente edição
O júri, reunido no dia 11 de junho, atribuiu ainda o 2.º e 3.º prémios aos trabalhos das alunas: Ariana Silva (12.ºF) e Valéria Sousa (11.ºI), respetivamente. 
[Margarida Araújo]


[Ariana Silva]


[Valéria Sousa]

Mereceram menção honrosa os trabalhos das alunas: Madalena Mota, 12.ºH; Beatriz Silva, 11.ºI; e Ana Ferreira, 7.ºI.
Para além dos trabalhos vencedores estão também em exposição, na sala de leitura da biblioteca da ES Alcaides de Faria, outras fotografias merecedoras de atenção e que justificam a visita da comunidade educativa. 
Parabéns aos premiados e agradecidos a todos os alunos/as que participaram neste concurso.
Veja aqui a galeria virtual das fotos em exposição.

9 de maio de 2019

Li, gostei e recomendo... a palavra aos leitores

O que nos diz Marisa Viana, do 11.ºC da ESAF, sobre este livro que leu, gostou e recomenda:

A Rapariga que roubava livros

Autor:                         Markus Zusak
Editor:                        Editorial Presença
Colecção:                   Grandes Narrativas
Categoria:                  Romance
Ana de Publicação:  2008
N.º de págs.:             468


"Após escutar a opinião de uma amiga e ter sido incentivada pela mesma, decidi, nas férias do verão passado, mergulhar na leitura da história “ A rapariga que roubava livros” de Markus Zusak.
Tendo como narradora a “morte”, esta história relata a vida de uma rapariga em Molching, algures em Munique em plena Segunda Guerra Mundial. Liesel, após perder o irmão e ser abandonada pela mãe, vai viver com Rosa e Hans, os seus pais adotivos, com os quais vai estabelecendo laços paternos. Também conhece Rudy, o vizinho com o qual irá embarcar em perigosas aventuras, e Max, um judeu, que se tornara um amigo inesquecível. Adorando ler, Liesel não resiste a roubar livros e é através das palavras que ela encontra a coragem suficiente para sobreviver aos tempos difíceis que atravessa. 
Escrito de uma maneira pormenorizada, este livro surpreende-me, na medida em que retrata, de forma clara, os sentimentos e atitudes das pessoas perante o horror da guerra e é capaz de suscitar no leitor as vivências da mesma situação.
Em jeito de conclusão, embora seja um livro que fale de tempos horríveis e pessoas cruéis, creio que, acima de tudo, é uma obra que transmite a verdadeira coragem e o espírito de sacrifício."
[Para ti, leitor da comunidade da ESAF - este livro está disponível no nosso acervo documental]

Evocar a tradição dos "Maios"

Por estes dias, na sala da biblioteca e com o seu quê de decorativo, a evocação da tradição dos "Maios" ou "Maias" alusiva a ritos ancestrais ligados à Primavera... criações de alunos do 7.º e 8.º ano que, nas aulas de Educação Tecnológica, recriaram gestos que ainda hoje se repetem no enfeitar de batentes de portas, nas janelas, carros agrícolas... 
Recriados com materiais reciclados e recicláveis, eis uma reconfiguração da tradição por via do labor e do engenho de vários alunos.

Mostra de trabalhos sobre Desenvolvimento Sustentável

Por estes dias, na sala de leitura da biblioteca, mostra de trabalhos de alunos do Ens. Profissional (turmas 10P2 e 10P5) em torno da questão do Desenvolvimento Sustentável e no âmbito da componente transversal de Cidadania e Desenvolvimento (sob coordenação do prof. Carlos Pedroso).


29 de abril de 2019

Na celebração do quadragésimo quinto aniversário do 25 de Abril de 1974

Celebrar a Liberdade e a Revolução dos Cravos, evocar e comemorar o quadragésimo quinto aniversário do 25 de Abril de 1974, revisitando a sua importância no quadro da implementação do regime democrático - eis o mote para a sessão de literacia cívica, histórica e sócio-política que hoje levámos a cabo na biblioteca escolar da ESAF, com a participação de um representante da Associação 25 de Abril.
Revisitar a "Revolução de Abril" e, no mesmo ato, sensibilizar os jovens para a importância daquele momento importante da nossa história recente, é uma forma de intervir de modo cívico e cidadão no incremento de literacias também elas cruciais para uma formação abrangente de jovens alunos. De facto, literacia quadra com cidadania e democracia. É mesmo uma das suas condições e também ela uma conquista de Abril.
Assim aconteceu esta manhã, numa sessão que contou com as palavras e a experiência de um comandante da Armada - Marinha; também com as palavras dos poetas e dos prosadores a quem o 25 de Abril tocou de sobremaneira (Jorge de Sena, Ary dos Santos, Sophia, Baptista Bastos), palavras feitas crónica e poesia ditas por alunos; e ainda os inevitáveis sons de Abril reproduzidos em tão magníficas canções. Foi muito gratificante, esclarecedor e de grande dimensão formativa seguir as palavras do comandante Abel Tavares que, de forma comunicativa e assaz próxima de um auditório composto por mais de uma centena de alunos de diferentes anos de escolaridade, abordou o antes, o acontecimento em si e o pós 25 de Abril, fazendo ver que a democracia, a vivência livre e de justiça social, a igualdade de oportunidades entre tantos desígnios da vida em sociedade, é uma luta de todos os dias, pela qual todos e cada se devem empenhar.
Da nossa parte, gratos a todos os intervenientes, do palestrante aos alunos e professores que assistiram à sessão, sem esquecer aqueles que leram expressivamente textos e aqueloutros que, pela música e a alegria das canções, celebraram Abril como deve ser.

23 de abril de 2019

Dia Mundial do Livro

Hoje, 23 de Abril, evocou-se o Dia Mundial do Livro.
A biblioteca é por excelência um local de partilha de livros e leituras, uma porta aberta para inúmeros mundos, mas também para o conhecimento e a diversidade dos saberes. Foram vários os leitores que hoje e como quotidianamente acontece passaram pela biblioteca da ESAF, folhearam, consultaram, leram e requisitaram livros.
Para ti, que és aluno, docente ou elemento desta comunidade escolar, eis um acervo a usufruir. 
A leitura faz bem à saúde!

Nos 45 anos da "Revolução de 25 de Abril de 1974": Celebrar a Liberdade e a revolução dos cravos

Na próxima quinta-feira, dia 25, comemora-se um momento fundamental da nossa história comum, aquele que ocorreu, também numa quinta-feira de há 45 anos, e que pôs termo a quase cinco décadas de ditadura, ausência de liberdades, repressão, miséria e profundo analfabetismo, entre tantas outras vicissitudes que faziam do nosso país uma nação pobre, cinzenta, e cansada de uma guerra colonial que se desenrolava em África. 
Na próxima quinta-feira comemora-se aquele "dia inicial inteiro e limpo / onde emergimos da noite e do silêncio" como tão singela e magnificamente escreveu Sophia de Mello Breyner na obra: "O Nome das Coisas".
Na próxima quinta-feira, comemora-se o 25 de abril de 1974 e com ele também nós queremos, por cá, neste espaço de literacia e de liberdade que é uma biblioteca, evocar e celebrar a liberdade e a revolução dos cravos. Será assim que, no dia 29 de abril, contaremos com a presença de um representante da Associação 25 de Abril (numa palestra de sensibilização histórica e cívica) que vem partilhar, com alunos e outros elementos da comunidade educativa, ideias e factos sobre a Revolução de Abril de 1974. Também pela poesia, a música e canções de intervenção teremos a oportunidade de revisitar e relembrar o espírito de Abril, dando conta de como a expressividade artística se cruzou  (e cruza) com as vivências do nosso dealbar democrático.
[Os cartazes aqui apresentados são da autoria de elementos da comunidade escolar; o primeiro resultado de um arranjo gráfico de Maria J. Oliveira com ilustração da autoria de Nuno Mendanha (ambos professores na ESAF); o segundo, da autoria da aluna de artes Madalena Mota]

22 de abril de 2019

Celebrar a Liberdade e a Revolução dos Cravos... em cartaz

Desde há mais de uma década que a biblioteca escolar da E. S. Alcaides de Faria evoca a importância do 25 de Abril de 1974 como acontecimento marcante da nossa história recente, com atividades de sensibilização cívica e histórica, seja por via de palestras, seja pela música e as canções de intervenção, por textos afins e ainda pela apresentação de cartazes alusivos àquele marco da nossa história. E foram tantos os cartazes que ao longo dos anos fomos dando a ver, criações de elementos da comunidade escolar que connosco colaboram.
Neste ano, quando se celebram os 45 anos da Revolução de Abril, temos o gosto de partilhar convosco dois cartazes que configuram duas leituras, dois modos de olhar e interpretar o espírito de uma revolução que conduziu Portugal ao estatuto de país democrático, com eleições livres e demais prerrogativas das sociedades que respeitam as liberdades e pugnam pela equidade e a justiça social. 
Por um lado (imagem policromática), a visão do adulto que olha e reflete sobre a importância daquele momento; por outro (imagem monocromática), a perspetiva de uma jovem aluna que, com recurso à ilustração gráfica, lança um olhar sobre a perseverança (ou não?) daquilo que por via de Abril de 74 se conseguiu (ou ainda não). 
Cartazes não lineares, que dão que pensar e suscitam no observador os mecanismos da interpretação e da interrogação crítica, também elas faculdades de um pensamento que se quer livre, plural, democrático. Uma conquista de Abril!
[Nota importante: o primeiro cartaz (policromático) é fruto da criatividade artística de  Nuno Mendanha, com arranjo gráfico de Maria J. Oliveira, ambos professores de artes na ESAF; o segundo, assenta em ilustração gráfica da autoria de Madalena Mota, aluna de artes na ESAF, que já concebeu anteriormente outros cartazes para iniciativas desta biblioteca. A todos o nosso muito obrigado!]

30 de março de 2019

Pufes e mais pufes e outras estruturas... na biblioteca

No leque das possibilidades e potencialidades que o espaço de uma biblioteca pode oferecer, para além das incontornáveis valências relacionadas com a disponibilização de meios de conhecimento, informação e outras literacias, como espaço para leitura, pesquisa, realização de trabalhos e estudo ... os encontros com escritores e outros autores, as palestras sobre temáticas educacionais e culturais, etc.; no âmbito dessas valências, dizíamos, há sempre um lugar para a vertente expositiva, do dar a ver e conhecer de alguma da produção/criação que, do interior das salas de aula, salta para o espaço do olhar alargado e, porque não, amplificado, porque em prol da educação, mas também, num sentido mais lato, cultura.
Assim acontece, por estes dias, na sala de leitura da biblioteca da ESAF. Desta feita, com a mostra de um conjunto de objetos, realizados por alunos do 7.ºano, no âmbito da disciplina de Educação Tecnológica (sob supervisão das professoras Albertina Coutinho e Fernanda Carvalho) e no quadro mais amplo dos denominados Domínios de Autonomia Curricular (DAC), ao implicar trabalho interdisciplinar (com Cidadania e outras componentes curriculares) e articulação curricular.
Pois é, quem por estes dias entrar na biblioteca da ESAF deparar-se-á com diversas estruturas onde fatores como estabilidade, resistência e equilíbrio se conjugam e materializam em interessantes pufes e estruturas outras que, aparentemente frágeis, se revelam afinal fortes. 
A ver e a experimentar!

24 de março de 2019

BESAF Foto 12.ª edição - concurso de fotografia

[cartaz: Maria J. Oliveira]
Aí está de novo o concurso de fotografia anual da biblioteca escolar da ESAF.
A proposta desta 12.ª edição do Concurso de Fotografia BESAF FOTO (2019) passa por desafiar os alunos a dar azo à sua criatividade imagética para, por via da fotografia, captar um ponto ou tomada de vista sobre o ambiente natural à nossa volta, a natureza que nos envolve, embeleza e preenche, mas que também corre perigos. A presente edição deste concurso tem como tema: "Ambiente à minha volta".
Para aqueles que nos acompanham ao longo destes anos, este desafio à criatividade dos alunos, para se expressarem pela fotografia, tem-se concretizado em algumas agradáveis surpresas, com alguns trabalhos a darem nota de forte sensibilidade estética, e outros a revelarem expressividade crítica do olhar.  Por isso, se és aluno da comunidade escolar da ESAF não hesites: mune-te de uma câmara ou de dispositivo similar capaz de captar fotografias e expressa o teu modo de ver. 
A data para entrega das fotos (1 ou 2) termina em 17 de maio de 2019, via e-mail da biblioteca da ESAF ou em mão (no balcão de atendimento).
Mais uma vez contamos com a participação dos alunos (3.ª Ciclo e Ens. Secundário), mas também com a colaboração dos docentes da escola, pelo incentivo e a motivação.
Vamos a isto! 
De olhos bem abertos, parte em busca de bons motivos.
Mas antes, não deixes de consultar o regulamento.

21 de março de 2019

No Dia Mundial da Poesia e da Árvore

Esta manhã, na biblioteca da ESAF, foi tempo para celebrar o Dia Mundial da Poesia e o Dia da Árvore. Vários foram os alunos que participaram na celebração da palavra poética e na expressão do que de importante tem para a vida as árvores e as florestas.Declamaram-se poemas de autor, mas também inéditos da autoria de alguns dos alunos intervenientes, e foram muitos os alunos que esta manhã de primavera fizeram jus à beleza das palavras e à veia dos poetas. Em vários locais da sala de leitura, onde decorreu a sessão de poesia, destacam-se ilustrações alusivas à temática da árvore, ilustrações que podem ainda ser vistas por estes dias.
E assim foi esta manhã de leituras inclusivas, com uma mão cheia de poemas e de boas interpretações, quiçá recordando-nos quão importante se torna preencher com um pouco de poesia alguns dos recantos da nossa existência.

16 de março de 2019

A Alcaides nos prémios dos "Pequenos Grandes Poetas"

Em representação da Escola Secundária Alcaides de Faria, a aluna Mafalda Araújo, do 8.º ano, conquistou ontem (15/03), o prémio de declamação (do poema Aurora Boreal, de António Gedeão), no escalão do 3.º Ciclo, na final do concurso concelhio Pequeno Grandes Poetas, que se realizou no auditório da Biblioteca Municipal de Barcelos.
Parabéns, Mafalda! pela tua sensível e expressiva interpretação do belíssimo poema de António Gedeão.
Um bem-haja muito especial para os nossos três outros alunos que também participaram neste concurso de poesia: André Cardoso, na categoria declamação (Ens. Sec., com um poema de Ary dos Santos), Joana Miranda e Marisa Viana, na categoria poema inédito, 3Ciclo e Ens. Sec. respetivamente.
De igual modo endereçamos os nossos parabéns aos alunos vencedores e demais participantes nas diversas categorias, alunos oriundos de diferentes escolas do concelho, inclusive de uma (EB de Manhente) que também faz parte do Agrupamento Alcaides de Faria.
Uma última observação para dar nota de que assistimos ontem à noite, no decurso do espectáculo de poesia dita e escrita, a interpretações de elevado nível expressivo.

[O concurso Pequenos Grandes Poetas, que já vai na 9.ª edição, é uma iniciativa promovida pela Rede de Biblioteca de Barcelos e Câmara Municipal, que congrega o envolvimento de todos os professores bibliotecários das escolas do concelho no processo de seleção e apuramento de alunos, com vista à leitura e declamação de poesia, bem como à criação de poemas inéditos.O objetivo principal deste certame passa naturalmente pela promoção de hábitos de leitura e escrita, e o incentivo do gosto pela poesia e pela escrita criativa.]

15 de março de 2019

Quatro painéis, quatro grandes poetas e escritores

A biblioteca escolar da ESAF ficou ainda mais bonita nesta Semana da Leitura'019.
Quatro painéis, quatro grandes poetas e escritores. Trabalhos criativos sobre madeira, obra dos alunos do 12 F e H (sob orientação da professora de Artes, Maria J. Oliveira e colaboração do prof. Carlos Martins, de Mecânica).
Camões, Pessoa, Sophia de Mello B. Andresen e o Nobel da Literatura José Saramago, pontificam nas paredes da sala de leitura da biblioteca da ES Alcaides de Faria. 
Viva a leitura, viva a literatura!

No mapa da leitura

Atividades da Semana da Leitura`019 na BESAF no mapa das iniciativas da Semana da Leitura Nacional (fonte: Plano Nacional de Leitura).
Muito obrigado aos elementos da comunidade educativa da ESAF que colaboraram nas atividades em prol da promoção da leitura e da celebração dos livros e dos leitores.