Páginas

26 de abril de 2018

Nos 44 anos do 25 de Abril de 1974

Perante uma plateia constituída por alunos de cinco turmas (do 7.º ao 12.º ano), biblioteca cheia, revisitou-se hoje aquele "dia inicial inteiro e limpo / onde emergimos da noite e do silêncio" (Sophia), assinalando assim, em ambiente de sensibilização, mas também de festa, o quadragésimo quarto ano da "Revolução de Abril de 1974". Celebrámos a Liberdade por via das palavras, da poesia, do conto, da música e das canções; evocámos histórias e conversámos com um dos militares de Abril, o coronel Bacelar Ferreira, que em 25 de abril de 1974 assumiu, como elemento das Forças Armadas (posto de Capitão), o comando da Unidade (BAM, Póvoa de Varzim) e participou nas ações militares que lhe foram atribuídas - ocupação da ponte de Vila do Conde, sobre o rio Ave e ocupação da emissora de rádio Azurara. Falou-nos da Revolução da Abril, dos ideais que dali emergiram e conduziram à instituição de um regime democrático; falou-nos da liberdade como condição de felicidade; salientou o quanto é importante lembrar a conquista dos valores democráticos e preservar o seu mais lídimo sentido; alertou para os perigos que a democracia corre nos tempos de hoje, face à emergência de derivas totalitárias e de ideologias avessas a valores como a solidariedade, a equidade, a liberdade (em todas as suas dimensões); soube ainda lembrar que o cerne da nossa civilidade democrática, assente em direitos e valores que nos são intrinsecamente inalienáveis, também corre riscos se deixarmos de valorizar a sua defesa e os entendermos como algo de consumado.
A democracia, mesmo com os seus óbices, é um regime de liberdade, de direitos e garantias fundamentais, de sociedade aberta, mas simultaneamente também por isso frágil face ao que na sombra, como a História nos recorda a todo o momento, se pode maquinar.
Lembrar Abril de 1974 é recordar que a tarefa da construção democrática é sempre algo de inacabado.
No final e em uníssono: a Grândola Vila Morena.

Sem comentários: