Páginas

1 de março de 2018

O caso do Banco do Minho - apresentação de livro

Já lá vão alguns dias, mas é sempre altura de fazer eco. 
Assim, a dezasseis de fevereiro, sexta-feira, pela manhã, na sala de leitura da biblioteca da ESAF, viajamos no tempo! Da segunda metade do século XIX a princípios dos anos trinta do séc.XX. 
A finalidade de tal viagem: a história de um banco, o Banco do Minho, criado e com sede na cidade de Braga, a quem foi concedido, por Carta Régia (Rei Dom Luís, 15/06/1864), "poder emitir letras à ordem ou notas pagáveis ao portador e à vista segundo as leis que regulam o custo da moeda", entre demais atribuições de uma instituição bancária. A história de um banco e daqueles que a ele estiveram ligados durante sete décadas, que viria a ter um fim dramático em 1931. Esta incursão no mundo das finanças, da história e da vida das pessoas ligadas a um banco que chegou a ser de grande nomeada em termos nacionais e internacionais, esteve a cargo de um escritor bracarense, de nome Francisco Vieira da Silva, que à sala de leitura da biblioteca da ES Alcaides de Faria se deslocou para vir falar, perante uma plateia de alunos e professores das áreas de Contabilidade e Economia, da longa trama e enredo do seu romance (de incontornável cunho histórico) "Estamos Pobres! O grito de silêncio de Braga em 1930" (Chiado Editora, 2013).
Por via da narrativa ficcionada, mas assente em aturada pesquisa e substancial realidade histórica confirmada, Francisco Vieira da Silva traçou um quadro abrangente sobre a história do Banco do Minho, tendo mesmo abordado, na sua explanação, o também antigo "Banco de Barcellos". Sim, um banco que também a nossa cidade conheceu e que, porventura, alguns barcelenses desconhecem. 
Ligar, por via do registo literário, a História, as Finanças, a vida de personalidades e gentes de toda uma região, foi o modo de dar a conhecer uma realidade que para os alunos presentes na sala (três turmas) importou, desde logo, pela temática abordada, mas também pela paleta da literatura. Quanto nas páginas de um romance pode repousar em histórias que o tempo não apaga e que não deixam de constituir alertas para as ações de hoje.
A biblioteca da ESAF, espaço de literacias, recebeu pois com agrado o autor e grata fica aos alunos da turma 12P1 - Técnicos de Contabilidade que, com a professora Julieta Flores, dinamizaram esta iniciativa.

Sem comentários: