Páginas

21 de novembro de 2007

Sexta_23 || Um poeta na Biblioteca

Nunca alinhei árvores em planos oblíquos
nem incendiei memórias pelo instante
onírico que dura o fogo nos olhos.
Imaginei objectos inclinados em planícies
como pássaros sem pátria ou livros abertos
ou mãos pousadas sobre mesas.

Há um secreto esplendor no teu rosto parado,
como o silêncio do meio-dia ou as tardes de verão.
Imagino-te suspensa no precário equilíbrio
do meu corpo em ascensão, redimido na natureza
luminosa do teu movimento sobre a estância
febril do meu desejo. Há um mistério denso
no labor das tuas mãos, antigo como madrigais.

Tu esculpes os feixes de luz por onde caminho
ressuscitado e incendeias a percepção do tempo
no instante onírico que dura a minha mão na tua.
José Rui Teixeira, in O Fogo e outros utensílios da luz , Edições Quasi (2005)

Na próxima sexta-feira, pelas 15h, a Biblioteca recebe o poeta José Rui Teixeira que, num encontro com alunos e com quem quer que da comunidade educativa deseje vir ouvi-lo e conversar, nos virá falar em torno d` "Os Lugares do Eu". O poeta, que acedeu a um convite endereçado por Justiniano Mota (Prof. de EMRC na ESAF) para se deslocar à nossa Escola, é autor das obras: Vestígios (2000), Quando o verão acabar (2002), Para Morrer (2004), Melopeia (2004), Assim na terra (2005), O Fogo e outros utensílios da luz (2005), Oráculo (2006), Zerbino (2007). Uma nota biográfica e algo mais: aqui.

Sem comentários: